Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alexandre Soares dos Santos

O que é que deixa aos filhos um homem que tem dois mil milhões de euros? Um exemplo de vida, diz ele. “O resto é um património que têm de cuidar, para o qual outras pessoas contribuíram. Meu, é aquilo que penso, aquilo de que gosto, aquilo que defendo e que espero que topem.” Alexandre Soares dos Santos nasceu em 1934. Já viveu muito. Mas só lhe interessa o dia de amanhã.

Recebe-nos no pátio, estende a mão: “Soares dos Santos”. Está disposto a dar a primeira e a última entrevista com estas características. A contar a sua história. Nunca tinha aberto a casa a um jornalista, e por razões de segurança não autoriza fotografias dentro de portas. Conversámos o dia todo. Almoçámos bolinhos de bacalhau e arroz de tomate. Na copa. Sem cerimónias. Quando terminámos, mostrou um brinquedo. E confessou que não brincava quando era pequeno.

Esta é uma entrevista exclusiva, na sua quinta, no ano em que se assinalam os 220 anos da fundação da Jerónimo Martins. Foi mantida a respiração original, assumida a errância, as repetições. Horas e horas de gravação que permitem conhecer um pouco melhor o homem mais rico de Portugal. 

 

Seria uma surpresa para os seus pais que se transformasse no homem em que se transformou?

É a pergunta mais difícil que me podem pôr. O meu pai zangou-se comigo quando abandonei Direito. Estivemos uns três, quatro anos distantes.

 

De relações cortadas?, ou só distantes?

Secas. Comecei a fazer carreira na Unilever. O meu pai descobriu: “Afinal, este tipo vai em frente”. Ele não se formou em Direito porque teve de formar um irmão. Foi um grande desgosto [ouvir]: “Boa noite, vou-me embora, vou partir”. Fui para a Alemanha.

 

A isso chama-se ir à sua vida. Crescer.

Pois. Mas é muito difícil. Tenho filhos de 50 e poucos anos, já. Para mim são uns miúdos. Tenho filhos que me telefonam às sete e meia da manhã. A perguntar como é que estou. Se não me telefonam, não fico preocupado por que não me telefonam. Fico chateado por não me terem telefonado [riso].

Somos uma família tremendamente unida. Vim a Portugal casar-me, dois dias depois parti. A minha mulher saiu de uma moradia para um quarto. Eu pagava para tomar banho todos os dias. Isto reforçou os laços da família. Os muitos filhos, ainda mais.

 

A Alemanha em que viveu estava a renascer, tinham passado doze anos sobre o fim da Segunda Guerra. Como viu o país um rapaz que não estava propriamente habituado a situações de carência?

Fui daqui para Kleve, uma cidade ao pé da fronteira com a Holanda. Primeira coisa que me chocou: ver quilómetros e quilómetros e quilómetros de cruzes. E o sentido de austeridade. E o sentido da poupança. Embora não faltasse nada. Uma vez fui convidado para ir a casa do advogado da companhia às oito. Jantar? Não havia. Havia uma garrafa de vinho. Não se oferecia nada.

 

Como eram as pessoas?

Distantes. Vivia num quarto de uma casa de uma senhora. Nunca tive uma conversa com ela. Era bom dia, boa tarde, acabou.

Houve uma parte interessante, que me deu um conhecimento da vida enorme, enorme, enorme. Ter trabalhado como operário no turno da noite. Seis semanas. E trabalhei como vendedor cinco meses. Levantava-me às cinco da manhã e deita-me às dez, onze. Vendia, entregava e carregava uma tonelada de margarina por dia. Com os vendedores, aprendi os truques todos.

Porque é que foi tão importante estar na unidade de montagem?

É preciso compreender o que é entrar às onze da noite e estar lá até às seis da manhã. Não está com os filhos, desconfia da mulher, tem quezílias com os companheiros. No Pingo Doce você tem de fazer estágio de loja, e tem de estar no departamento da carne, do peixe. Senão, amanhã está sentado no seu gabinete e não conhece a companhia.

Dou valor à união nacional – “Temos que recuperar a Alemanha”. Partidos políticos, pessoas com ideologias ou credos diferentes, juntos. Em Portugal, [apesar das] grandes dificuldades, não conseguimos fazer um governo de união nacional em que sindicatos, empresários, partidos políticos tenham um programa em que valha a pena pensar: “Vamos fazer isto”.

 

Por mais severa que seja a nossa crise, não vivemos um pós-Guerra. Não é comparável.

Não sei. Na Alemanha do meu tempo já tinham o plano Marshall em marcha. Tinham a ajuda americana a Berlim. As fábricas tinham sido reerguidas. O que havia era a perspectiva de recuperar “o nosso país”. Que, no fundo, é aquilo que a gente tem que fazer. Enquanto estivermos na bancarrota, estamos dependentes dos credores. Temos de fazer um esforço de aumentar a produção. Que precisamos de investimento, todos sabemos. Mas onde é que está o dinheiro? Quem é que nos empresta? Ninguém. Estourámo-lo.

Na Alemanha acompanhei muito o chanceler [Konrad] Adenauer. Quando caí em Kleve, ele andava em campanha eleitoral para a CDU. Ele e o [Ludwig] Erhard, o famoso ministro da Economia alemão. (Dois colegas meus eram cristãos-democratas. Foi uma surpresa, não estava habituado a partidos políticos. Um tipo de 22 anos que vive bem está-se nas tintas para o resto. Não se falava de política neste país.) Aos fins de semana, pimba, lá estava eu nos comícios. Não dizia: “O dia de amanhã vai ser melhor”. Dizia: “O dia de amanhã vai ser melhor se”. Se tu fizeres isto, se tu fizeres aquilo.

Apesar da secura que reconheceu nas pessoas, viu nelas uma união e um sentido de solidariedade?

É muito estranho: nunca percebi isso. O meu chefe directo era filho único. Morava na mesma rua que a mãe. Primeira pergunta que me fiz: “Porque é que não vive com a mãe?” E depois: “Porque é que só vai ver a mãe uma vez por semana?”. Hoje tenho um grande amigo alemão que tem dois filhos: raramente se vêem. No outro dia fez 50 anos de casado. A minha mulher e eu fomos os únicos convidados. Os filhos não estavam! Eu, quando fiz os meus 50 anos de casado, se algum dos meus filhos não estivesse era o fim da picada.

 

Retomo a pergunta inicial: o seu pai podia supor o quanto cresceria na sua vida?

Vou responder-lhe assim: sou católico crente, praticante, e gostava, se na realidade houver alguma coisa para lá, de encontrar o meu pai e ter umas conversas com ele. Não só ajustar contas como relatar. [gargalhada] Sabe que discuto muito com ele, ainda hoje.

 

O quê?

Há coisas que não pode discutir com a mulher, nem com os filhos, nem com os colegas. Tem de tomar uma decisão, pensar nos argumentos. Discuto comigo em voz alta! Portanto refugio-me no meu pai.

 

Discute consigo como se estivesse a discutir com ele?

Como se estivesse a discutir com ele. Não calcula o problema que é a solidão. Por exemplo, no 25 de Abril, [nas discussões com] as comissões de trabalhadores, que já existiam na Fima Lever (aprendi o que eram na Alemanha; era – sou! – um grande defensor. Não gosto de sindicatos, gosto de comissões de trabalhadores.), muitas vezes tinha de tomar decisões e não tinha dois minutos. Havia um caderno reivindicativo, estavam doze pessoas na minha frente e [a decisão] tinha de ser ali. Éramos 2500 na parte industrial. Uma decisão errada ia afectar todos. E descobre que está só.

 

Como é que decide? Apoia-se na sua intuição depois dessa discussão consigo mesmo, depois de ouvir pessoas?

Se tenho de decidir muito rápido, decido muito rápido. Senão, gosto de ir formulando diversas hipóteses; e, normalmente, quando me levanto de manhã tomo a decisão. As grandes decisões da minha vida tomei-as de manhã. Seis e meia, sete horas da manhã.

Se conhece bem o negócio (como nós conhecemos o Jerónimo Martins [JM]) a tomada de decisão é muito mais fácil. É muito importante saber quem são as pessoas. Quando vêm falar consigo, sabe quem está a falar consigo. E não se pergunta: “O que é que este tipo vem cá dizer?”. Em Portugal, os conselhos de administração não conhecem as empresas. Vou dar-lhe um exemplo: a Ikea quando convida para administrador não-executivo uma pessoa, ela tem de estar dois dias numa loja, na caixa. Se eu convidar um elemento português para ficar dois dias na caixa de um supermercado, não encontro um.

 

Porque é que se dispôs a ir para o turno da noite? E porque é que acha que em Portugal não existe a predisposição para conhecer os diferentes momentos do negócio?

Neste país ainda há muito a ideia do patrão. O patrão é que decide. O patrão é que faz.

 

É uma sociedade muito hierarquizada?

Hierarquizada é a Alemanha. Não sei como é hoje; no meu tempo era step by step. O que havia era a ideia da empresa, do grupo. E não a ideia do patrão. Mesmo em empresas familiares.

A empresa não é minha. É das pessoas que lá trabalham, que têm o direito de saber que caminho a empresa leva. E o accionista tem de perceber o que é ser accionista. Tem direito a dividendos, tem direito a ser informado. Não tem o direito de interferir. Só interfere na medida em que nomeia um conselho de administração em assembleia geral. A partir daí, pede contas. Não gosta, põe na rua. Outra coisa: têm de ser profissionais, de família ou não, mas competentes.

Guardo o tópico da empresa familiar para mais tarde. Gostava de retomar outro: foi aos 22 anos para uma situação diferente daquela que conhecia. Mas tinha dinheiro.

Vivia bem. O meu avô tinha dinheiro. O meu pai vivia muito bem, mas estava longe de ser rico. E eu não queria viver à custa do pai. Fui falar com a Unilever que sabia quem nós éramos. Entrevistaram-me na sede, em Roterdão, fizeram-me testes, disseram: “Entra”. Fui procurar a minha vida. Gostei da vida internacional, e nunca pensei voltar a Portugal.

 

Esteve na Alemanha, Irlanda, França, Brasil. Falava línguas?

Inglês e alemão. Aprendi enquanto estudante. Os meus pais tinham-me mandado lá para fora.

 

Fale-me do que está para trás. Nada sei da sua infância.

Foi exactamente igual à de qualquer criança. Nasci no Porto e vim para Lisboa com um ano. Frequentei a escola primária no Colégio Académico dos Anjos, depois fui para o Porto [como] interno fazer o liceu.

 

Como era, nos anos 40, o ambiente de um colégio interno de padres?

Encontrei um ambiente estupendo. Era frequentado por rapazes de Trás-os-Montes, principalmente, e do Minho (da parte dos lanifícios, de Guimarães, Trofa). O meu colega de carteira era o Francisco Sá Carneiro. Eu passava os fins de semana em casa de um dos tios do Francisco, dentista, amigo dos meus pais.

No quinto ano tive grandes notas e regressei a Lisboa. Fui para o D. João de Castro.

 

Vinha a casa quantas vezes por ano?

Vinha no Natal e na Páscoa. De comboio, no rápido das seis e dez do Porto, que chegava à meia noite a Lisboa. Creio que de vez em quando a minha mãe me ia visitar, mas não tenho ideia que me fosse visitar muitas vezes.

 

Escreviam cartas?

Sim. No outro dia, a minha mulher estava a arrumar umas coisas e descobriu uma carta minha para o meu avô. Contava que estava bem, que os estudos iam bem. Tive um director, o padre Avelino Soares, um homem de grande craveira intelectual e moral, que me tornou disciplinado. Eu não era rebelde no sentido de me portar mal. Não aceitava as coisas sem explicação. Ainda hoje não aceito. Esse padre ensinou-me a aceitar a opinião dos outros e a organizar a minha vida. Tenho um filho que não é muito diferente disto que eu era.

 

O Pedro?

O Pedro. [riso] Somos muito pouco diferentes. Vim para Lisboa, entrei na faculdade, tinha muito boas notas. E depois tudo mudou.

 

O colégio foi importante para a sua religiosidade?

Não. O colégio não forçava nada, só tínhamos missa ao domingo. Íamos de manhã e à tarde à capela. Não era obrigatório confessarmo-nos. E nunca vi essas cenas de que hoje se fala, da homossexualidade. Havia um prefeito que dormia no dormitório, e havia as partidas normais (tirar o colchão, ter umas coisas na cama).

 

O que é que lhe deu essa dimensão religiosa?

Sou filho de uma senhora muito religiosa. Na vida há várias fases. Na fase do Brasil, a preocupação principal era fazer uma carreira, ser alguém na vida e educar os filhos. Para fazer carreira na Unilever, tinha de dar o máximo. A religião passou para segundo lugar. Outra fase: a preocupação já não era tanto o negócio, e reencontro a religião. 

 

O que é que o fez ambicioso?

Boa pergunta. Na parte do Brasil, queria ter qualidade de vida e ser independente. “Eu não quero ser mais um. Eu quero ser um.” Era isto que me movia.

Quando vim para o JM, [encontrei] uma empresa pouco conhecida, mas muito importante. Tinha um investimento extraordinário na indústria. E era o maior armazenista do país. Não eram as lojas da Rua Garrett que eram importantes. Não tinha jovens. Porquê? O meu avô tinha como política dar emprego a pessoas que quisessem estudar; pagava os estudos. Tínhamos uma série de pessoas que tinham o curso comercial, que estavam cansadas (muitos começaram a trabalhar com 14 anos), e que não sabiam mais do que aquilo. O mundo estava a mudar rapidamente com o desenvolvimento da EFTA. O problema que se pôs: isto é para vender e dividir ou é para crescer?

 

Explique-me a natureza da sua opção.

Se tenho um avô que aos dez anos abandonou a aldeia [na Beira] para ir trabalhar [para o Porto], o que nos deu um conforto brutal toda a vida, não tenho direito de vender. Tenho é que o homenagear e agradecer o que nos deixou, e fazer crescer.

 

Muitas vezes, a terceira geração é uma geração fracassada. Consigo aconteceu o oposto. Ampliou o que recebeu. Insisto: o que é que o fez querer ser um?

É a personalidade do indivíduo. Você, se calhar, não vai acreditar nisto: não ligo nenhuma ao dinheiro. Gosto do dinheiro para viver bem. Mas se julga que perco cinco minutos a tratar dos meus investimentos particulares, está enganada. Entreguei isso aos meus filhos. Só me interessam duas coisas: dois anos de reserva no banquinho [para o caso] de me querer demitir. Disse à minha mulher quando casámos: “Quero ser comprado, não quero estar à venda”. Desde o primeiro dia em que comecei a trabalhar, poupei. Comprei um carro muito mais tarde. O meu pai nunca me deu carro nenhum. Esse dinheirinho de lado, ainda mantenho. De resto, o dinheiro fez-se para criar emprego, modernizar o país, dar melhor qualidade de vida a todos os que trabalham [connosco]. Daí a Fundação [Francisco Manuel dos Santos, FFMS].

 

Os seus pais eram primos entre si. Eram os escolhidos do seu avô. A sua mãe era uma filha dilecta, o seu pai acabou por se transformou, aos olhos dele, numa espécie de filho?

Não. Dava-lhe um tratamento especial, muito superior ao que dava aos filhos. Se o meu avô soubesse que o meu pai não tinha carro, ia deixar-lho à porta de manhã. Levava-me para todo o lado. [A minha irmã e eu] éramos praticamente os únicos netos que iam com ele. O meu pai tinha 1,8% do JM antigo: foi o meu avô que lho deu. Não vi até hoje um documento que dissesse que o meu pai tinha comprado a quota. O meu pai era um tipo de muita categoria.

 

Fale-me dele.

Durante anos e anos e anos não o conheci. A primeira impressão era a de que era um tipo longínquo, agreste, pedante (fumava charuto). Mas depois de o conhecer era um homem profundamente humano. Se tomarmos o aspecto sexual de um miúdo de 14 anos: não era o pai que falava com o filho.  

 

Quem é que falou consigo sobre sexo?

Foi um amigo do meu pai do Porto que veio falar comigo. Do que é que se falava naquela altura? Das prostitutas, do Bairro Alto, da Rua do Bonjardim no Porto. Dos cuidados que havia que ter, das doenças que poderiam aparecer. Não se falava de contactos com meninas. Só havia virgens. Uma vez, em conversa com um filho meu, ele diz-me assim: “Ó pai, se conhecer alguma virgem, diga-me!” [riso] Era o Pedro.

 

Já teve essas conversas com os seus filhos?

Não, não. Disse aos meus filhos: há este problema assim-assim, mas não vou ser eu a explicar, vai ser um médico.

 

E o problema: tinha a ver com a doença ou com o engravidar?

Tinha a ver fundamentalmente com a doença e com o precaver-se contra determinados jogos que pudessem aparecer por parte de alguém.

 

Pensei que tinha uma relação íntima com os seus filhos, que já fosse capaz de ter essa conversa com eles.

A minha relação com os meus filhos é muito, muito íntima. Vai mesmo para além da relação pai-filho. Mas naquela época havia uma certa distância. Distância que não existe entre mim e os meus netos.

 

O pai daqueles miúdos de 14 anos era um homem diferente deste que tenho à minha frente?

Já saía muito com eles. Íamos ao futebol. Depois íamos comer qualquer coisa. Eu, a Teresa e os meus filhos sempre fomos uma sociedade muito fechada. Comprámos esta casa para que os meus filhos trouxessem os amigos cá para casa. A nossa preocupação era conhecer as pessoas com quem se davam. [Pessoas que têm] os valores e princípios morais em que acreditamos.

 

Teve amigos ricos e pobres?

Dou-me com todo o mundo. Ainda ontem fez anos um rapaz que foi director de compras de uma loja; telefonei-lhe e estivemos a falar meia hora. Se me dou com a classe alta? Não.

 

A quem é que chama amigo?

Só tenho um. É do meu tempo do liceu. Tenho tido conversas sérias com aquela senhora [aponta para a directora de comunicação] sobre o modo como vemos o mundo daqui a dez anos. São conversas que não tenho com outras pessoas cá fora, porque fico a falar com o maneta. A minha preocupação, a minha responsabilidade como presidente do JM não é ocupar-me do dia a dia ou do curto prazo. É ocupar-me do longo prazo. E perguntar-me: que empresa? (Você e eu, que somos de gerações diferentes, tivemos um dia seguinte sempre melhor do que o anterior, tirando coisas pequeninas que não interessam. Hoje, o dia seguinte é mais preocupante e talvez menos bom do que o anterior.) Para onde crescer? Agora, a Colômbia, que passa a ser responsabilidade do presidente-executivo. Ele é que tem de fazer do lançamento na Colômbia um sucesso. Eu tive de lhe dizer: é para ali.

 

O seu papel, mais do que tudo...

[peremptório] Estratégia e recursos humanos. Vão ter de ser os novos a responder pelo JM. Eu vou responder pela família. Há uma nítida separação entre JM e Sociedade Francisco Manuel dos Santos.

É impressionante que o meu avô, aos 30 anos, tenha escrito no diário: “Já tenho os primeiros mil contos”. Mil contos, naquela época!

 

Para mim é impressionante que escrevesse um diário. Pouco tinha estudado, começou a trabalhar aos dez anos.

[a mulher, na altura presente, intervém] Era um livrinho deste tamanho, que a minha sogra me confiou. “Nasceu o meu filho tal. Devo uma promessa de cem escudos a Nossa Senhora.”

[Novamente Soares dos Santos] Era a vida dele que ali punha. O meu pai deixou escrito o seguinte: “Garanto sob palavra de honra que só tenho dois filhos: fulano e sicrano”. [riso]

 

Tem diário?

Eu? É o jornal do dia. [gargalhada] Não, não tenho necessidade. Não ligo nenhuma ao passado. Só me interessa o dia de amanhã.

 

Disse que tinha umas contas a acertar com o seu pai e umas coisas para narrar. Pode voltar a este assunto?

O que eu gostava de discutir com ele: sendo ele um homem que teve a iniciativa da Unilever e de montar a fábrica de margarina, porque é que deixou morrer o JM? Nitidamente, a certa altura da sua vida fez a opção da indústria; e deixou cair o outro [ramo]. Não entendo.

 

Pode ter sido uma opção estratégia errada?

A JM era constituída por duas famílias: a Santos e a Vale. Que se davam muitíssimo bem, mas que tinham perspectivas de vida diferentes. A minha interpretação é a de que ele não esteve para lutar com a família [Vale]. E foi para a indústria com a Unilever. Jerónimo Martins?, deixa andar. Isso explica [a razão pela qual] acabei por adquirir a posição da família Vale. A minha família era mais empreendedora, a família Vale era muito conservadora. Herdei do avô e do pai o espírito empreendedor.

 

E conflituoso se for preciso?

Conflituoso, também. Topo o conflito a sério. E topei, no JM. Encostei tios. Se tem um rumo, e está a ser honesto ao traçar esse objectivo, tem de o cumprir. Entrei na distribuição para ter um contrapoder à Unilever. “Se tu tens a parte da inovação, eu tenho a parte da venda.” A Unilever, que era 60 ou 65% da JM, hoje é 4 ou 5%. E assim nasceu um grupo de distribuição. Desenvolveu-se, onde vai parar, não sei. Depende da situação mundial e dos jovens. (Todos os meus filhos passaram pelo IMD para fazer o Family Business Network. E vão recomeçar nos Estados Unidos em Março do ano que vem.)

 

Numa entrevista que deu em 2008 dizia que havia um acordo familiar para que não estivessem dois familiares nos cargos mais importantes da administração. Mudou de ideias, quando passou a ser o chairman e o seu filho Pedro o CEO?

Não mudei de ideias. O acordo que existe é um acordo que existe comigo (não existe oficialmente). O Pedro merecia ser o CEO. Merecia! O Dr. Luís Palha [da Silva] sabia isso, não foi surpresa. O problema foi que, quando quis sair, os membros do conselho de administração não-executivos disseram: “Não queremos que saia agora”.

 

Está assente que é no próximo ano que vai sair?

Absolutamente. Está mais que decidido. Desta vez, quem manda sou eu.

 

Para fazer o quê?

Viver aqui com a minha companheira de tantos anos. Vou ter o problema do desenvolvimento da sociedade Francisco Manuel dos Santos. E gosto muito dos problemas que a Fundação me põe. Quero levá-la às aldeias, às vilas, motivar as pessoas. A nossa sociedade é passiva. Lastima-se, mas não reage. Não podemos aceitar que haja um estafermo de um presidente de câmara que mete lá dentro a malta toda que andou na campanha no dia seguinte.

 

Os 48 anos de ditadura ainda são a razão principal para compreender a não-intervenção cívica?

Acho que são 900 anos de ditadura! Hoje é mesma coisa. Você vive numa ditadura. Dizem-nos que isto é uma democracia; é uma democracia aonde? É controlado em todos os sítios, nas suas contas bancárias, nos movimentos do cartão de crédito. Democracia é você ser uma boa cidadã e declarar os seus rendimentos para depois eles serem cobrados. É preciso que os nossos governantes recebam o seu dinheiro e saibam gastá-lo. E não é a construir três faixas entre Leiria e Figueira da Foz. O país devia desenvolver-se com a participação activa das populações.

 

Para si, isso é o mais sintomático de um Estado democrático?

Ai é, ai é.

 

Mais do que a liberdade de expressão e o direito de voto?

A liberdade de voto é limitada. Não tenho liberdade de voto [em relação] aos membros que vão para o Parlamento. Voto numa lista, nuns nomes que não me dizem nada.

 

Defende as listas uninominais?

Defendo o deputadozinho que me bate à porta e que vem falar comigo. O que não posso defender: a EDP coloca postes porque lhe apetece? Compro um transformador, pago o transformador e o transformador é da EDP? Se cometer um crime no JM, por ter desviado dinheiro de um sítio para outro, poem-me na rua e posso ser julgado. Um político gasta o seu dinheiro, gasta o meu dinheiro, faz as asneiras que quer, e não lhe acontece nada. Isto é democracia? Veja os Estados Unidos; houve broncas na banca – muitos estão presos. E nós? Muda alguma coisa? Não.

 

O que é que era preciso atacar, para começar?

A sociedade. Obrigar a sociedade a organizar-se.

 

Nesta conjuntura de crise, muito se fala na necessidade de fazer reformas de fundo. Uma pergunta: como é que toda a gente empobrece e o senhor enriquece?

Polónia. Outra coisa: em 2007 disse ao Pedro e ao Luís Palha: “Quero estar sentado em dinheiro”. Não queria ficar dependente. A crise não é do euro. A crise é que a banca deixou de financiar as empresas. E as empresas estavam todas subcapitalizadas, não tinham dinheiro para o negócio do dia-a-dia. A maior parte das empresas deslocavam os cash flows que recebiam para jogar na bolsa. Ora na bolsa joga você, não joga a sua empresa. Nós, só em 2011, perdemos 22 fornecedores – por falta de apoio bancário. Não preciso de lhe dar nomes. Veja as OPA’s: problema de dívida, não é mais nada.

 

A sua decisão de sentar-se em dinheiro – ou seja, estar seguro – tem raízes no que viveu no pós-revolução, na experiência do PREC?

Não. Naquela época tínhamos uma situação financeira sólida. Houve uma explosão no consumo brutal. Em termos de vendas, o 25 de Abril foi uma mina. Passaram a comer gelados na rua, que não comiam. [A decisão resulta da] lição do Brasil [em 2000]. A dívida do Brasil ensinou-me: “Vamos lá ser o Alexandre dos dois anos de salário de lado”. Se não tivermos dinheiro vamos mais devagar, se tivermos dinheiro vamos mais depressa.

 

Quando é que reconheceu que o Brasil tinha sido uma aposta errada ou mal concretizada?

Quando voltei. Quando tem uma época de grande crescimento perde um bocadinho a perspectiva daquilo que o rodeia. Está convencido de que é o melhor. Tudo lhe sai bem.

 

Deve estar com essa sensação agora.

Não. Não! Estou queimado.

 

Olha-se para os números e a sua fortuna aumentou seis vezes em apenas oito anos...

Uma das características do JM é aprender com os erros e implementar rapidissimamente a correcção. Porque é não fui [agora] para o Brasil? Porque não tenho ainda massa crítica e dimensão para entrar no Brasil onde a compra de uma empresa está caríssima. Não sonho ser uma multinacional. O meu desejo é ser líder onde entramos, e dizer que somos portugueses. Hoje os polacos acham-se fantásticos, [dizem que] ajudam Portugal. Já lhes disse: “Estivemos dez anos a pagar-vos. Foi Portugal que vos financiou. Chegou a altura de serem vocês”.

Ando a pensar pôr nos estatutos do JM e na Sociedade Francisco Manuel dos Santos um limite para a dívida, tal como se fala do [limite para o] défice na Constituição. Amanhã vai haver uma geração que não viveu isso [sobreendividamento], como há uma geração que não viveu a guerra – na própria Alemanha. Fiz questão que os meus netos fossem ver os campos de concentração na Polónia. Ainda sou do tempo em que Hamburgo estava destruída.

 

Porque é que quis que os seus netos fossem aos campos?

Para saberem o que é a vida. Que a vida não são hotéis de cinco estrelas. Não só vão ver o que estamos a fazer na Polónia como vêem o que foi o desastre, o morticínio que ocorreu naqueles países.

 

Tem na sala uma fotografia com o Papa João Paulo II. Foi importante para si o encontro com ele? O que é que representou?

Foi importante conhecê-lo, mas o Papa que conheci era um Papa com muita idade. Era uma reunião privada, organizada por um padre muito nosso amigo. Eu tinha esperado uma hipótese de... falar.

 

Sobre o quê?

Porque é que a Igreja é tão lenta a reformar-se? São coisas que discuto com o bispo D. Manuel Clemente. Porque é que não se devem admitir mulheres padres? Porque é que não se há-de admitir o casamento? Porque é que a Cúria Romana é constituída por uns tipos que têm 80 anos, que não sabem nada da vida, que estão ali fechados? (Nenhum dos nossos governantes tem experiência de vida. É fundamental conhecer. Você por ter uma opinião sobre o Soares dos Santos; pode mudar a opinião se entretanto conhecer o Soares dos Santos. “Disseram-me que este gajo é malcriado; se calhar, não é tão malcriado quanto eu pensava.”)

 

A conversa com o Papa seria para discutir a sociedade. Não seria para falar dos seus problemas íntimos. Tudo está direccionado para o domínio social.

Filha, quando se chega à minha idade sei exactamente para onde vou. 

 

Disse “filha” porque acha que sou muito nova. Está a ser paternalista.

Você está-se nas tintas para o dia de amanhã. E muito bem! Quando a gente é nova, o dia seguinte está catita. Quando se chega à minha idade, sei que o comboio está a chegar à estação. Não sei se vai com grande atraso ou com grande avanço.

 

Pensa muito nisso?

Claramente. Deixei de ter planos a longo prazo. Já não tenho o gosto de sair de casa. Reuniões com muita gente?, esqueça. Estou noutra. E pelo facto de ter netos e de conviver com eles, estou preocupado com a sociedade.

 

Com o mundo que lhes deixa e com a cicatriz que deixa nesse mundo.

O país está a envelhecer de uma forma brutal, e não se passa nada. Um país pode desaparecer por não ter cidadãos. Se der uma volta por aí, vê que os únicos pinhais limpos são os meus. A população podia limpar? Não pode. É gente cansada. O meu caseiro só teve sapatos numa idade já maior.

 

Tanto diz coisas que politicamente consideraríamos à esquerda como outras à direita.

Mas isto não é um problema de esquerda ou de direita. Eu não sou de esquerda nem de direita. O António Barreto diz-me que sou um conservador liberal. Sou é cristão. Não digo que sou católico. Sou cristão. Como tal, tenho um conjunto de valores e princípios que tenho de respeitar. Não é dizer: “Defendo isto”, e faço o contrário. Hoje, a minha grande preocupação é saber como vivem as pessoas que trabalham connosco. Descobrimos que tínhamos mais de 15 milhões de salários congelados pelos tribunais, e que as pessoas tinham mesmo fome. Por isso criámos um fundo, actualizado todos os meses, e que é dado às pessoas. Não precisam dizer o nome, dizem só que têm necessidade. É a responsabilidade social de uma empresa.

 

Diz isso num tom crispado. Fica danado quando dizem que é uma espécie de caridadezinha.

Vai ver quem diz: são uns cretinos. Frustrados. Há um tipo que diz que abrimos umas clínicas, que o António Borges está no JM por causa das privatizações, e que o JM vai comprar os hospitais. Que é que quer que um tipo pense? É o retrato do país. Por um lado dizem: “Invistam”. Por outro, criticam os que investem. 

 

Diga-me o que é que pensa quando lê esses comentários.

Digo um grande palavrão! Claro que uma pessoa fica irritada. Então admite-se que um telejornal abra com uma promoção do Pingo Doce?

 

Está a referir-se à campanha do primeiro de Maio. O senhor mesmo veio dizer que aquilo não se volta a repetir.

Não volta a repetir-se porque não pensámos que aquilo tivesse tanto sucesso e custasse tanto dinheiro.

 

Está de acordo que assistimos a imagens, do ponto de vista do consumidor...

Não houve um único acidente. Nem incidentes.

 

E as intervenções da PSP?

As intervenções da PSP foram para quê ordenadamente as pessoas saíssem, para fechar a loja, que as lojas estavam sem nada. Não houve nada! Houve duas ou três lojas no norte que tiveram problemas com ciganos. Garanto-lhe: eu não sabia.

 

Como é que não sabia? Confesso que pensei que estava a dizer que era uma decisão do seu filho.

Não foi uma decisão do meu filho. Você tem um calendário promocional, aprovado em Dezembro (que é quando o conselho de administração aprova os planos em concreto). Em Março há uma revisão dos planos. Houve uma reunião, em que estive eu, o CEO do JM e o director-geral do Pingo Doce, em que propuseram uma série de promoções. Numa reunião dessas não vão dizer que é no dia 12 ou 13 ou 14 ou 15.  

Quando foi a promoção do primeiro de Maio, eu estava aqui. Cheguei ao pátio para tomar o pequeno-almoço e a minha caseira perguntou: “O que é que se passou hoje em Fátima? Telefonou a minha irmã a dizer que a loja está a abarrotar”. “Ena pá, a promoção saltou no primeiro de Maio.” A promoção foi lançada como teste. Para saber a que tipo de promoção as pessoas reagiam. Nunca passou pela cabeça, nem do director-geral do Pingo Doce, nem do CEO do JM, que acorresse tanta gente. E não foram os pobres, como eles dizem. Pobres não têm 100 euros para gastar.

 

A questão foi muito discutida, e não é o foco da entrevista. Mas esta promoção associada à transferência da sede fiscal da empresa para a Holanda denegriram a imagem da JM aos olhos dos Portugueses.

Acho que no curto prazo sofremos imenso. Particularmente eu, em termos de imagem. Penso que passou.

 

Pedro Santos Guerreiro, o director do Jornal de Negócios, escrevia num editorial que a ida para a Holanda traduzia uma desistência sua em relação ao país (porque ia procurar uma situação fora que lhe oferecesse uma maior estabilidade).

Já reparou que fui o único tipo acusado? E fui o último a ir para a Holanda. Os outros estão lá todos, inclusive o Estado – e não acontece nada. A mim, foi um ataque político. Aqui temos todos de nos benzer perante um Primeiro-Ministro. Os PM e os ministros estão ao serviço da nação, e têm de nos receber. A gente escreve uma carta a um ministro e o tipo não responde.

 

Aconteceu-lhe isso?

Mostro-lhas todas [as cartas]. Tirando o ministro da Administração Interna, o Rui Pereira, que me respondeu a uma carta particular.   

 

Esperaríamos que um homem que tem o seu poder e a sua influência...

Não tenho poder nenhum.

 

Esperaríamos que telefonasse para o PM, para qualquer ministro, e que fosse atendido.

Se telefonar, sou. E se quiser uma audiência, também ma dão. O Presidente da República de vez em quando chamava-me. Discutíamos, etc. Mas tenho escrito cartas como presidente do conselho de administração do JM, sobre problemas concretos da empresa e da actuação do Governo, que nunca levaram resposta.

 

Porque é que se pegou com José Sócrates?

Oiça, eu achava que o José Sócrates tinha uma total falta de ética. O José Sócrates pensava nele e no partido dele. E o país não é dele.

 

Nisso era diferente de outros PM e políticos?

[riso] Era mais descarado. É uma pena, sabe? Uma das coisas que faço muitas vezes, quando aparece um político novo: “Contratavas ou não contratavas este tipo?” Contrataria o Sócrates.

 

Porque é que o contrataria?

Porque o iria corrigir. Metia-o numa engrenagem onde ele não fazia o que queria. Entrava como trainee. Ia fazer estágio de loja. E se não quisesse e se se portasse mal, a gente convidava-o a ir para outro sítio. Eu contrataria o Sócrates trainee, não era o Sócrates PM – esse ia à vida.

 

Que outro político contrataria para trabalhar consigo?

Isto não estava combinado... [riso] Político, político: ninguém. Há, contudo, pessoas com muita categoria. Um deles é o Álvaro [Santos] Pereira. Tive apenas duas reuniões com ele. É um homem que pensa muito bem. Não sei se executa tão bem ou tão mal como dizem, mas é um homem sobre o qual recaem todas as críticas porque está a tentar mudar muita coisa. Neste país, quando se tenta mudar alguma coisa, todo o mundo é contra.

 

Pensar e executar são coisas diferentes.

Depois temos as máquinas dos partidos a funcionar. Um ministro disse-me uma vez: “A minha maior dificuldade é o partido”. Esta história do bloco central foi terrível para o país.

Tenho muito boa impressão do Dr. Paulo Portas. Não é um homem de empresa. É um político, está a perceber o que é o ministério dos Negócios Estrangeiros dos tempos modernos. Nunca o contrataria para uma empresa. O Dr. Paulo Macedo, contrataria. Tem experiência. É importante ter a experiência do que é pagar salários e impostos.

 

Subjaz ao fazer o pensar. A ideologia. O que parece determinante para si é o resultado.

É o bem comum. Os tempos modernos são tempos de concorrência, de luta. Acabou o tempo das ideologias. Vão voltar, um dia. Mas não é hoje. Ouvir os partidos, uma lengalenga – eles são os primeiros a não acreditar –, não vale a pena. A grande recepção ao Passos Coelho foi porque começou a falar verdade. Dirigiu-se ao cidadão comum. Como fez a senhora Thatcher.

 

(pausa para almoço)

 

Fale-me do Brasil, onde chegou nos anos 60.

Ser expatriado significava uma melhoria da qualidade de vida. Tinha um subsídio de renda, equivalente a 15% do meu ordenado, tinha escola e saúde paga. Veja o que é isso para um tipo que já levava cinco filhos na bagagem.

 

Porque é que teve tantos filhos?

Tem que me perguntar porque é que só tive estes. Não tínhamos número, quando o médico mandou parar, parou. Sempre adorei ter uma grande família.

 

Era a imagem mnemónica do seu avô com os sete filhos?

Não. Teve a ver com o projecto de vida que era meu e da minha mulher. Quando fui para o Brasil, pela primeira vez tive dinheiro.

 

Pela primeira vez?

O meu pai nunca me deu um tostão. Era a característica da família, cada um procura o seu caminho. No Brasil ganhava em libras, com o cruzeiro a desvalorizar todos os meses, e não sentia a inflação. No primeiro ano do Brasil, em 1964, a inflação foi de 84%. Lembro-me de ter dito à minha mulher: “O que é que faço a tanto dinheiro?”.

 

Como é que era considerado o dinheiro na sua família? Um prémio, uma coisa para aforrar, para investir?

O meu avô era um investidor permanente. Dava muito dinheiro para a aldeia onde tinha nascido. Mudava de casa como bebia copos de água. O meu pai era austero, mas gozando os prazeres da vida. Os outros avós tinham uma vida sustentada pelos filhos, o meu pai e um irmão médico.

 

E a sua mãe?, ainda não me falou dela.

Era uma boa dona de casa. Cozinhava muitíssimo bem. Aturava o marido e vivia com os filhos. Uma mãe normal, não me marcou nem me influenciou. Quem mais me influenciou, positiva e negativamente, foi o meu pai.

 

Como é que foi o momento de escolher um sucessor? A ida do Pedro para CEO foi escolha sua, mesmo que submetida aos sócios, família e conselho de administração.

Tem de se ter coragem para escolher aquele cujo perfil, experiência e visão, mais se adapte ao JM. Na minha opinião sempre foi o Pedro. Há uns 15 anos perguntei-lhe: “O que é que achas se te convidar para meu sucessor?”. Ele nunca tinha pensado nisso, porque nunca pensou que o tivesse como candidato. (Aquela história de não ter estudado..., tem o primeiro ano de Direito e fez cursos lá fora.) O Pedro era rebelde, mas tinha coisas notáveis: é um líder nato, conhece o negócio como ninguém. Quando saiu do exército, perguntei-lhe o que é que ia fazer. “Tens oito dias para pensar”. Ao fim de oito dias ainda não sabia. “Então começas como marçano numa loja em Oeiras”. E foi assim mesmo. Saía de casa com a marmita.

Foi um holandês, meu colega, que uma vez se virou para mim e disse: “O teu sucessor é aquele”. No tempo da Unilever, o vice-presidente um dia perguntou-me o que é que eu queria ser; disse-lhe: “Se pudesse ter o seu lugar, gostaria”. Ele disse: “Esquece, vais substituir o teu pai”. O meu pai morreu um ano depois. O Pedro era vendedor do Olá [gelados].

 

Numa família tradicional, não havia a expectativa de o sucessor ser o primogénito?

Não. O que havia era o desejo de dividir o JM em partes, e que cada um dos meus filhos tivesse uma parte. Isto estava a ser implementado quando se revelou que era completamente idiota. Isto não é um império de um fulano que põe e dispõe. Tem que haver um conselho de administração. E eu não podia olhar a tudo ao mesmo tempo (a divisão industrial, o Pingo Doce, o Recheio...). Chamei um professor do INSEAD, tive uma conversa séria com ele, que demorou meses. Daí nasceram os não-executivos no conselho de administração, e a vinda dos estrangeiros.

 

Quando é que aprendeu a ouvir?

O meu filho Zé diz que oiço bem e que tomo a decisão sozinho –  é o que me critica. Mas como é que se pode gerir uma empresa e ser responsável perante accionistas se não se souber ouvir os directores, os quadros?

 

Gosta de ser provocado?

Muito. Gosto da briga. Quando estou sem desafios, quando tudo está bem demais sou desleixado, desinteresso-me. Tive uma briga muito feia na Jerónimo Martins. Chegou muito perto da violência.

 

Já se envolveu numa briga física?

Nunca andei à pancada. Dei dois pares de estalos até hoje. Um, estava à espera do eléctrico, veio um tipo a correr, afasta-nos a todos e entra no eléctrico. Agarrei e pu-lo fora. Outra vez, estava interno no colégio, a escrever, e há um tipo que diz: “Essa caneta é minha”. Olhei para trás e dei-lhe um estalo.

 

Essa briga na JM foi em que altura?

Foi a seguir ao 25 de Abril, 1976/77. Foi uma briga de empresa familiar.

 

Achei que me ia dizer que a briga da sua vida tinha sido com o seu pai, ainda que não fosse nos mesmos termos. Foi a briga-motor.

Essa resolveu-se. Estava em Paris. Fomos jantar ao Café de la Paix e depois fomos à ópera. A seguir fomos a uma boîte chamada Sherazade, onde estavam o duque e a duquesa de Windsor, bêbados, a partir taças de champanhe. Começámos a conversar. E as coisas foram-se compondo aos poucos.

 

É verdade que o seu pai morreu quando o foi visitar ao Brasil?

É. Chegou às oito da noite a São Paulo e morreu nessa noite. Estava doente há anos, mas não se contava com a morte tão cedo. Chegámos ao hotel, mandou sair a minha mãe e a minha mulher, e ficou duas horas a falar comigo sem me autorizar a dizer nada. Às onze e meia, meia-noite, disse: “Estou cansado, amanhã continuamos”. E acabou ali. Foi nitidamente uma passagem, um testamento.

 

Disse que queria que o sucedesse? É na sequência da morte do seu pai que regressa a Portugal.

Não, tinha concordado comigo em vender. Os dois tínhamos acordado que eu não saía da Unilever. Como morreu rápido demais, fiquei sem escolha. Foi a própria Unilever que me chamou a Londres, me impôs a Jerónimo Martins e me aconselhou a sair.

 

Isso aconteceu em 1968, e tanta coisa aconteceria na sua vida depois disso. Sente que teve várias vidas e vários recomeços?

Tive dois projectos na vida, um dentro da Unilever e outro fora. O primeiro ano em que estive na Jerónimo Martins optei por não fazer nada, por aprender. Uma coisa é ser director de marketing de uma grande multinacional, outra coisa é sentar-me na Jerónimo Martins, sem conhecer ninguém, sem ninguém me conhecer. Quando tomava alguma decisão, as pessoas vinham dizer-me: “O seu pai não tomaria essa decisão”. Até ao dia em que resolvi dizer que o meu pai estava no cemitério dos Prazeres, que fossem falar com ele. A partir daí fui eu. Já me sentia seguro.

 

O que é que fez de si um empresário de excepção?

Não sou um empresário de excepção. Fui educado profissionalmente numa empresa que trabalha em grupo.

 

Já disse que o projecto empresarial no Brasil não correu bem. Foi importante conhecer o fracasso?

Foi. Grande lição. Demonstrou que sem um balanço financeiro forte, e sem recursos humanos, não vale a pena. Fomos dois anos mais cedo para a América do Sul porque nos ofereceram uma companhia extraordinária e não muito cara. A posteriori, percebo que devíamos ter comprado aquela companhia e tê-la deixado quieta enquanto consolidávamos a Polónia. Não o fizemos.

 

Deram o passo maior que a perna.

Teve um preço. Se tivéssemos ficado no Brasil, não éramos líderes nem na Polónia nem no Brasil. Saímos do Brasil, ficámos líderes na Polónia. Tomou-se a Polónia como um desafio sério. Tínhamos que demonstrar aos investidores que éramos muito bons e que íamos transformar aquilo num sucesso.

 

A título pessoal, foi uma lição de humildade? Já era um gestor experiente.

É o perigo de se ser muito operacional. Daí a razão de ir buscar o [Luís] Palha, o financeiro. A grande lição: “Tens que mudar. A tua posição não é mais a de um operacional”. É uma posição que tento impor à direcção executiva.

 

Em algum momento, nessa crise tão aguda, pensou que podia soçobrar?

Pedi a demissão ao Dr. [Artur] Santos Silva e ao Dr. Nogueira de Brito. Não a aceitaram. E a minha família, numa reunião, entregou-me um papel assinado garantindo-me o apoio. Fiquei.

 

Sentiu-se um loser nessa altura?

Senti que o responsável era eu, tinha que pôr o meu lugar à disposição. Disse ao Pedro: “O conselho pediu-me para ficar; ou recuperamos ou saímos, ambos”. Ele foi viver para a Polónia e conseguiu recuperar tudo. Mostrou que tinha a garra na hora. Foi consciente do que lhe podia acontecer, e a mim, e não falhou.

Não se pode aceitar a derrota. Digo aos meus netos que a palavra derrota não faz parte do nosso vocabulário. E disse-o aos quadros. A saída do Brasil trouxe humildade e focagem. A Jerónimo Martins é uma empresa de distribuição e assume-se como tal. Chamem-nos merceeiros, estou-me nas tintas. É uma empresa de distribuição que já é a 84ª a nível mundial, números de 2010, e apenas em duas geografias, com uma taxa de crescimento de 19% ao ano.

 

Quando diz que a palavra derrota não faz parte do vosso vocabulário o que está a dizer é que é uma desonra sair derrotado?

Não. É um estado de espírito. As coisas podem correr mal, o adversário pode ter marcado um golo; mas nós vamos ter que reagir, pelo menos, para o empate.

 

Quando é que se sentiu intimamente derrotado? O que acaba de dizer é óptimo para moralizar as tropas, mas todos nos vamos abaixo.

Quando verifiquei que o endividamento não me permitia fazer mais nada. Decidimos vender algumas empresas e o Eng. Jardim Gonçalves foi de um auxílio extraordinário. Fui lá com o Zé [filho], expliquei o problema, ele disse: “Conte comigo”. Nunca me falhou. Ao fim de um ano, transmito àqueles bancos que tinham dúvidas se éramos capazes ou não, [o resultado da redução da dívida]. De 1.8 [mil milhões de euros] passei para 800. Num ano. E pronto.

 

Essa era uma das coisas que gostaria de narrar ao seu pai, voltando ao início da conversa?

Exacto. Exacto. Aquela coisa: “Vês? Olha...” [riso]

 

Nunca pensou num projecto político para si?

[muito pronto] Nunca. Nunca. Nunca. Nem tenho temperamento para isso. A minha participação é cívica. Quando um tipo passa por uma Alemanha em reconstrução, quando um tipo passa por um Brasil onde a classe alta tem um profundo desprezo pelo negro e pelo pobre, realiza – e volto à mesma: como cristão – que isto não pode ser assim. O mérito tem de ser premiado, a educação tem de ser dada. E liberdade não significa anarquia. Aqui, muitas vezes, confunde-se. Liberdade tem limites – o interesse comum.

 

Nunca teve relações com políticos? Durante o Estado Novo, alguma vez se encontrou com Marcelo Caetano ou Salazar? E depois disso?

Encontrei Marcelo Caetano como professor. Houve uma pessoa com quem mantive relações muito cordiais, mas não próximas: o Prof. Xavier Pintado. Não tenho mal a dizer do outro regime. Uma vez fui convidado para ir à PIDE; para contribuir para um saco azul e não sei o quê a troco de informações; recusei e nunca me chatearam. Políticos que tenha conhecido com mais intimidade: o Prof. Cavaco Silva, o Nogueira de Brito (que foi meu colega). Aprecio o actual governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. Mas dar-me, nunca me dei com ninguém.

 

Porque é que nunca se cruzaram o desejo de intervir civicamente e a ambição política?

Defendo que o empresário não tem que se meter em política. Há um conflito entre estar no Governo e estar no empresariado. A gente obedece a um objectivo: a defesa do interesse da empresa e dos que lá trabalham. Um vez, um político, um tipo que respeito, disse-me: “Os objectivos de um político são as próximas eleições. Os seus, não”. Agora, só se fala das autárquicas.

 

Tem-se falado de uma intervenção sua na sociedade através de um site de informação a ser lançado, um Huffington Post à portuguesa. Tem fundamento?

Não. Nunca falámos disso.

 

A marca que quer deixar é na educação?

É. Considero a educação um dos principais problemas em Portugal.

 

As pessoas têm uma grande curiosidade acerca dos homens sumptuosamente ricos. A que é que corresponde ter 2000 milhões? Para que é que lhe serve o dinheiro?

Para comer bolinhos de bacalhau com arroz. Não foi o que você almoçou? Almocei melhor que nos dias anteriores porque me esqueci de que sou diabético. Está a perceber? Tem de distinguir entre ter dinheiro e ter património. O meu património é fruto do trabalho de 60 e tal mil pessoas. No dia em que não trabalharmos, esse património vale dois euros [por acção], como já aconteceu [durante a crise do Brasil]. Outra coisa é ter dinheiro. O dinheiro que dizem que tenho, não tenho tanto assim. Tive que comprar a [parte da] família Vale e pagá-la, a que se seguiram uns anos de não-dividendos. Estou cheio de dinheiro? Não, estou bem. Influencia-me? Não. A minha vida, hoje, é a mesma que tinha em 1999. Não mudei rigorosamente nada. Nem a maneira de vestir, nem os carros...

 

Parêntesis: vai a um alfaiate? Usa sempre uns fatos de trespasse.

[riso] Vou. Sempre fiz isso. A minha preocupação são os netos. Esses sentem que há dinheiro, que são ricos. Ouvem falar, nas escolas. “Eh pá, o teu avô é tão rico.” Tenho de meter na cabeça dessa gente que isto é fruto do trabalho. Dá para vivermos bem, para, como fazemos por hábito, passar o fim de semana na Madeira ou uns dias não sei onde. Mas não dá para loucuras.

 

A opção é outra. Mas de certeza que dá para loucuras.

Você tem de dar o exemplo na empresa em que trabalha. Ter a liberdade financeira que tenho não me dá para chegar ao JM às 11 da manhã e sair às duas da tarde. Sempre disse que o presidente do conselho é o primeiro a chegar.

 

Acha que as pessoas vão ficar com uma ideia diferente de si depois de lerem esta entrevista?

Não faço a mínima ideia. Só sei uma coisa, que me dá uma grande satisfação: quando entro numa loja os empregados vêm falar comigo.  

 

Não têm acanhamento em relação ao patrão. É disso que gosta?

Pedem para me dar um beijo.

 

É uma coisa de pater-familias.

Se quiser, é. É também o reconhecimento do que a gente faz. Sou o patriarca da família, é verdade. E não há ninguém com mais anos de serviço no JM do que eu.

 

Ter estado doente deu-lhe a noção da finitude? E de urgência? Como foi esse confronto com a doença?

Vamos falar da mais grave. Quando o médico me disse os cancros que tinha, fígado e intestinos, telefonei a um médico amigo e perguntei-lhe: “Onde é que vou?”. Fui a Inglaterra. O problema imediato? Atacá-lo. [A reacção] não foi começar a chorar ou despedir-me da família. Estive quatro meses internado. Com fases más. De descrença. Contribuíram para me ajudar diversas coisas: o carinho dos médicos. Entravam no quarto às sete da manhã, pegavam-me na mão e diziam: “Keep going, Alexander, don’t give up”. A minha mulher nunca me abandonou um minuto. A minha filha Rita tirava-me da cama, punha-me debaixo do chuveiro, lavava-me e obrigava-me a dar uma volta pelo hospital. Além da Rita, havia sempre um outro filho comigo.

 

O apoio da família foi o que não o deixou desistir?

Foi. Tive este dom, que Deus me concedeu, de ter uma mulher e uns filhos à minha volta. O meu filho Pedro fez-me a barba a cantar O Barbeiro de Sevilha; disse-me no outro dia que foi o momento mais difícil da vida dele. Mas transmitiu-me confiança. O Zé fazia a cama, arrumava tudo, num quarto pequeníssimo. Outra coisa importante: acreditar em qualquer coisa. As enfermeiras. Os meus caseiros, quando vim para aqui restabelecer-me.

 

Foi quando?

Foi em 2006. O outro [cancro] foi na próstata seguido de bypass.

 

Fala dessas doenças como se fossem uma coisa banal.

Passou. Passou. Não olha para trás, olha para a frente. Só tive sorte na vida.

 

O que é que deixa aos seus filhos e aos seus netos, mais do que tudo?

Uma lição de vida, de conduta. É a única coisa que me interessa deixar. O resto é um património que têm de cuidar, para o qual outras pessoas contribuíram. Meu, é aquilo que penso, aquilo de que gosto, aquilo que defendo e que espero que topem. E que tenham respeito pelas pessoas. Só me irrito verdadeiramente quando não há respeito pelas pessoas.

 

 

 

Publicado originalmente no Público em 2012

 

 

 

 

Em destaque

Entradas recentes