Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Curso de Cultura Geral (15 Jan 2017)

Há uma canção de Caetano Veloso chamada "Livros". Ele escreve: "os livros são objectos transcendentes. São como a radiação de um corpo negro apontando para a expansão do universo". Os livros, a palavra, a cultura, num sentido amplo, é o que pode lançar mundos no mundo. Neste programa, vou aos mundos de Almeida Faria, Jorge Silva Melo, Maria Emília Brederode Santos, ao que os constitui, ao Portugal onde cresceram, ao lá fora onde as coisas mudaram de lugar e se reinventaram: onde eles aprenderam a ser outros. Pedi lhes que elaborassem uma lista de 10 coisas ou experiências de cultura. As listas, como sabemos, são para refazer amiúde. Servem para situar, traçar um mapa genérico. E servem de ponto de partida para a conversa.

 

A lista de Almeida Faria, escritor

  1. Bach, Paixão segundo S. Mateus
  1. Mozart, Don Giovanni 
  1. Eurípides, As Bacantes
  1. Shakespeare
  1. Nietzsche
  1. Joyce, Ulisses
  1. Álvaro de Campos
  1. Eduardo Lourenço 
  1. Bosch
  1. Mário Botas

 

 A lista de Jorge Silva Melo, actor e encenador

  1. Biblioteca da Voz do Operário (a memória anarquista em Lisboa)
  1. Casa da Achada (meu prof. Mário Dionísio)
  1. Teatro Variedades (Parque Mayer)
  1. Museo del Prado (Madrid) e memória da infância
  1. Quintais de Lisboa de Nikias Skapinakis no Centro Manuel de Brito (Algés)
  1. Os "reservados" dos museus (CAM)
  1. O atelier da Sofia Areal: um atelier é o lugar da felicidade
  1. Uma sala de ensaios enquanto decorrem ensaios
  1. O cinema Ideal
  1. O Teatro da Politécnica

 

A lista de Maria Emília Brederode Santos, pedagoga

  1. O Feiticeiro de Oz – Frank Baum, e obras para crianças de Selma Lagerlof e Andersen
  1. Guerra e Paz, Leão Tolstoi
  1. Un Chien Andalou (1929) ou L’Ange Exterminateur (1962) do Buñuel
  1. High Noon (O Comboio Apitou Três Vezes), de Fred Zinnemann (1952)
  1. O Leopardo (1963) ou Senso (1954) do Visconti
  1. Um programa de TV: “O Detective Cantor” e “Uma aldeia Francesa”
  1. “Liberté” do Paul Eluard dito pelo Gérard Philipe
  1. Picasso (a Guernica…). E, por indecifráveis razões do meu inconsciente, “La girafe en flammes” do Dali
  1. Le Deuxième Sexe e outras obras da Simone de Beauvoir
  1. Ainda não acabámos!, filme do Jorge Silva Melo (2016)

 

 

Em destaque

Entradas recentes