Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Miguel Pais do Amaral

Tudo é muito aprumado. O cabelo, os dentes certos, os talheres de prata. Nada é ostentatório. Os sapatos, os empregados, o chá de menta que se pede ao meio da manhã. Encontrámo-nos num daqueles hotéis em Mayfair onde nada reluz, porque reluzir é feio. O aparato novo rico é “disguuuusting”. Há gestos do passado, que já só se vêem descritos em livros, e um comedimento no requinte de quem é chique a valer.

Miguel Pais do Amaral vai bem com o Claridge’s. Desce imediatamente quando lhe falam da recepção a anunciar a minha chegada. Tem passos largos, é veloz, é muito alto. Tomámos o pequeno-almoço entre as oito e meia e as nove e meia. Ovos estrelados e café. Durante a conversa, ele foi polido como se deve ser, mas manifestamente estava a ser conduzido para um mundo que lhe é estranho. Disse, aliás, repetidas vezes: “São coisas em que não penso, não lhe sei responder”. Perguntar pela família ou pela infância podem provocar verdadeiro espanto, como se apontasse uma equação indecifrável.

Usa como bordões linguísticos “de facto”, “na realidade”, “basicamente”. Não são palavras vãs, mesmo que possa parecer que o são. Dizem-nos muito deste homem que vive nos factos, se sente melhor próximo da realidade, e se concentra no núcleo do que quer. Talvez isto não seja premeditado, talvez seja só expressão de quem ele é.

É premeditado dizer “maçada” e não “chatice” – que eu uso para provocar, mesmo que saiba que lhe vou parecer vulgar. Dizer uma e não outra é uma escolha cultural. É do domínio da convenção, e Pais do Amaral construiu a sua vida. Nada foi por acaso. Pouco nele é natural, e tudo nele é uma evolução natural. Ter crescido entre uma gente derrotada, não querer ficar desse lado da cerca, fê-lo escolher esta vida. Tem a vida que escolheu ter, procura divertir-se, sabe com o que se entreter.

Tem um olhar frio, e não é impressão causada pelos olhos claros. É porque o mundo cor-de-rosa dos afectos sempre lhe foi estranho. De quem gosta este homem? Dele mesmo. Gosta dos outros, desde que não se metam no caminho e não lhe façam mal. Talvez goste mesmo de outros, mas isso não é da minha conta, e um senhor não aparece em mangas de camisa. Não se mostra, não se revela.

Foi nisso que pensei quando nos despedimos ao fim da manhã, depois de um segundo encontro. Ele seguiria para Lisboa e eu ficaria em Londres. Teve a boa educação de perguntar se eu queria que o motorista me deixasse em qualquer sítio. O Conde de Anadia foi ensinado a ser bem-educado. O Miguel Pais da Amaral tem o dinheiro que possibilita estes gestos.

Que pensarão dele as suas filhas?

 

 

Quando veio pela primeira vez ao estrangeiro?

Não me lembro se a primeira vez foi a Londres ou a Espanha... A primeira vez que vim a Londres tinha 13 ou 14 anos, com os meus pais, passar um fim-de-semana comprido. Já foi há muito tempo, não me lembro dessa parte da minha vida.

 

Porque é que não se lembra?

Não sei. É uma realidade. Por exemplo, essa viagem, se me perguntar o que é que fiz, não me lembro de nada.

 

Tem poucas recordações de si enquanto criança? Consegue perceber o que é que o faz guardar alguns momentos e obliterar outros?

Isso é um problema para um analista, não é um tema sobre o qual me tenha debruçado. [Dessa vinda] recordo-me dos carros, havia carros fantásticos em Londres. Era uma cidade maior do que aquelas a que estava habituado. Os parques, os jardins, (de que gosto bastante), Buckingham Palace, todo aquele aparato à volta da família real. Futebol, acho que fui com o meu pai ver um jogo do Chelsea, (eu era um grande adepto do Chelsea). Foram as primeiras impressões de Inglaterra. Tive dois bisavôs que viveram em Londres.

 

Por via do pai ou da mãe?

Do meu pai. Um foi diplomata, o outro era secretário do rei D. Manuel e veio para cá quando o rei se exilou. A minha família tinha grande tradição inglesa. O ser inglês era associado a ser civilizado. Os ingleses eram uma das formas de civilização, por oposição à forma de civilização francesa. Boas universidades, respeito pela história, pelo património.

 

Associa-se também a um modo de estar mais contido, menos emocional.

Também.

 

A sua mãe era mais afectiva, e mais francesa, neste sentido?

Eu devia ter dito que não gosto de falar da minha família. Os dois pais da minha mãe eram primos direitos. Eram uma família portuguesa que vivia em Portugal.

 

Quando o vi chegar, com esse fato riscado, tão “british”, pensei que podia passar por inglês. Mas as fotografias mostram que é incrivelmente parecido com a sua mãe, cujo tipo não se parece, pela sua descrição, com o de uma inglesa. Estava a tentar reconstituir uma genealogia mais afectiva do que propriamente de sangue. Que lado é mais vincado em si, o civilizado, anglófilo, ou o emocional, português?

Vivi bastante tempo fora de Portugal, e os meus exemplos são mais próximos do primeiro. A segunda parte nunca foi o meu forte, essa parte... você chama-lhe afectiva; não sei o que hei-de chamar-lhe. Vivo mais no mundo racional e lido menos bem com esse mundo das emoções.

 

É um jogo de esgrima que sabe jogar, o racional. O dos afectos é mais arriscado e imprevisível.

No INSEAD havia pessoas de todas as nacionalidades. Entendia-me muito bem com os ingleses. Têm um humor muito próprio, são distantes, não se têm certas intimidades com os ingleses que se podem ter com os espanhóis ou portugueses. Mas sinto-me em casa com os ingleses, e não me sinto tão em casa com os latinos.


Gostava de explorar a noção de intimidade. Trazia notas soltas, como: de que é que este homem tem medo, de quem é que ele é íntimo, em quem é que confia.
Essas perguntas são todas muito perigosas para mim.

 

Porquê?

Não lhe posso dizer porque estamos em entrevista. De quem é que sou íntimo? Sou íntimo de alguns amigos meus.

 

É uma resposta que revela muito pouco. Vamos por outro caminho: a sua vida tem essencialmente dois momentos: um anterior aos 20 anos e outro posterior? A herança que recebeu por essa altura mudou a sua vida? Ou apenas abriu uma possibilidade, uma liberdade que até aí não existia?

A minha vida tem três fases claras. Uma fase até sair de Portugal. Vivia em casa dos meus pais. Ter tido a herança da minha tia, não acho que tenha tido muito impacto. Depois, a fase em que saí. Fui para o INSEAD, depois para Nova Iorque, depois para Londres; comecei a minha carreira e era trabalhador por conta de outrem. Na terceira fase tornei-me um homem de negócios independente; aos 30 e poucos anos passei a ser senhor das minhas iniciativas.

 

Na primeira fase, maquetizou a sua vida desta maneira? Tem um grande sentido estratégico, ou as coisas foram acontecendo?

Eu fazia parte de uma família da aristocracia portuguesa. Uma aristocracia muito decadente. Não gosto de falar disto, pareço ser um pouco cagão. Tinham nomes importantes, casas, viviam de uma forma que era diferente, mas depois não tinham o substrato. E o substrato é o dinheiro. Se for a Inglaterra ou a Espanha, as grandes famílias mantêm patrimónios importantes, e isso dá-lhes outro estatuto. Em Portugal, além de serem decadentes do ponto de vista da influência, não têm dinheiro. Sempre achei que era importante recuperar alguma prosperidade familiar, e achei que isso se conseguia trabalhando. Sendo homem de negócios. Na verdade, sempre tive essa ideia.

 

Porque é que era indispensável ter muito dinheiro?

Não era indispensável, era necessário. Achava um pouco triste que famílias que tinham sido importantes, fossem menos porque não tinham dinheiro. Além disso, gosto daquilo que o dinheiro proporciona. Gosto dos carros, das obras de arte, de ter boas casas, de viajar.

 

Surpreende-me um pouco que o diga com essa franqueza. A história é clara e até conhecida, mas não esperaria que o dissesse assim.

É a realidade. Não tenho que ter vergonha.

 

Ao contrário. É um vencedor, é normal que esteja orgulhoso. Os amigos com quem se deu eram pessoas que tinham dinheiro? Alguma vez sentiu que estava num grupo do qual não fazia parte completamente pelo facto de não ter muito dinheiro?

A sociedade em Portugal é um pouco transversal. No meu grupo de amigos havia de tudo. Os que eram de famílias que tinham indústria, (tinham dinheiro), outros que eram de famílias tradicionais, (tinham propriedades e dinheiro), outros que eram filhos de administradores de bancos, (que eram mais importantes).

 

Estava a tentar perceber se a falta de dinheiro pode fazer com que uma pessoa seja proscrita.

Nunca me senti proscrito. Não tinha falta de dinheiro para fazer a vida normal de uma pessoa de 18, 20 anos, em Lisboa. Tinha falta dinheiro para fazer aquilo que gostaria de fazer.

 

Procurava a liberdade de poder escolher? De poder viajar, de poder comprar o carro sem olhar ao preço.

Se amanhã quiser viver em Londres, posso viver em Londres, ou em Nova Iorque. Hoje em dia posso fazer o que quero. Na altura tinha que viver em Portugal e ter aquela vida um pouco circunscrita.

 

A herança não abriu possibilidades?

Sou o herdeiro porque sou o mais velho, o chefe de família – não ia vender aquilo. Há muita gente que vende. Herdei a minha casa de Lisboa, dos poucos palácios de Lisboa que ainda estão na posse da família original, e a minha casa na quinta. Essas coisas não dão rendimento, dão é despesas.

 

Quando foi estudar Engenharia Mecânica, já tinha decidido que queria ganhar dinheiro? A escolha revela que ainda se deixava entusiasmar pelas suas paixões...

Acabei o liceu com 16 anos, nem sabia o que é que queria fazer! Era bastante infantil. Fui para Engenharia Mecânica porque gostava de carros e era muito bom em Física e Matemática. Achava a Economia uma maçada, não tinha jeito para Letras, portanto, foi uma evolução natural. Passei a ser um pouco mais consciente dessas questões para aí aos 20 anos.

 

Tomou a sua vida em mãos. Como quem guia uma máquina e lhe diz para que lado há-de ir...

É assim que faz toda a gente.

 

Uns mais conscientemente que outros. Já vamos falar dos carros. Para já: o que é que achava que a sua vida ia ser?

Quando fui para o Técnico, não achava nada. Há famílias em que as pessoas vão para Direito, ou para Economia, ou estão nos negócios. Eu não tinha o benefício de ter essas experiências em casa. Na minha família não havia a tradição de tirar cursos, a minha mãe e o meu pai não tinham feito cursos. Tive que decidir por mim. O 25 de Abril aconteceu quando estava no 3º ano. O país estava inapresentável. Eu não queria ficar, não me revia na mediocridade geral que era o Portugal pós-revolucionário – apesar de não ser uma pessoa com muitas referências, nem com muita exposição ao mundo. Mas era ambicioso.

 

Desgostava-o sobretudo o estado caótico do país?

Era caótico, era medíocre, estava a caminho de ser ainda mais pobre. Era mais interessante trabalhar num banco em Londres do que trabalhar numa empresa pública num Portugal socialista. Claramente, a minha opção ficou facilitada pela revolução: “Não quero isto, quero ter uma carreira internacional”. E uma carreira internacional não se tem como Engenheiro Mecânico, tem-se como banqueiro, como funcionário de uma multinacional. Foi aí que pensei em mudar a agulha para “business” e fui fazer o INSEAD.

 

Foi o princípio da sua aventura.

Era um mundo totalmente desconhecido para mim. Mas correu bem. Foi um choque maior o meu primeiro emprego do que propriamente o INSEAD, devo dizer. Eu fazia amizades com grande facilidade, fiquei com óptimos amigos.

 

Essa facilidade nas amizades passava por onde, começava onde? Era menos competitivo? As pessoas davam-se mais francamente?

Era-me mais fácil, não sei porquê. Tinha 20 e poucos anos, agora tenho 50, talvez seja isso.

 

Onde é que viveu? Como é que era a sua vida?

Vivi nas residências para estudantes, com mais seis ou sete participantes do MBA. Era uma vida pacata. No fim estudava-se um bocadinho menos; os primeiros dois, três períodos eram muito exigentes.

 

Lembra-se do seu quarto?

Mal. Era um quarto modesto. Alugavam-se umas casas grandes na cidade de Fontainebleau, e era aí que ficávamos. A minha casa era um bocado velha, mas funcionava. Era aquilo a que estava habituado: a viver em casas grandes e velhas.

 

Portanto, continuou em casa e a pensar: “Que chatice, nunca mais saio disto”.

Isso mesmo. Tinha uma razoável capacidade de adaptação. Hoje, quando penso nisso, fico um bocadinho surpreendido. Não tinha nada, fotografias, essas coisas. Não tinha os meus objectos. Não me interessava. E não tinha como comprá-los. Era uma pessoa com 20 e tal anos que tinha escolhido como missão acabar aquilo [MBA]. Estudava, tínhamos festas, almoçava e jantava com os amigos.

 

O que é que o fez perder essa imaturidade com que se descreve? O que é que operou essa mudança?

O choque que tive no meu primeiro emprego, na Goldman Sachs. Eu vivia num país fora do centro, numa família com uma visão do mundo um pouco especial. Aterrei em Nova Iorque num “investment bank” de Wall street, onde toda a gente do INSEAD queria trabalhar. Fui o único a ir para lá. Foi aí que comecei a perceber regras do que é ser profissional, do que é trabalhar. Foi o meu primeiro emprego e foi a minha escola. Pequenas coisas de que me lembro: eu andava devagar, nos corredores, na rua. E o responsável do meu departamento dizia-me: “You have to rush, Miguel! Why are you going so slowly?”.

 

E isso mudou?

Comecei a andar depressa. Estava habituada ao ritmo de Lisboa, a fazer coisas, calmamente, com um sorriso, ia beber um copo de água, tomar um café... enfim, não tomava café, mas um pouco neste estilo calmo. Em Nova Iorque havia uma coisa chamada “senso de urgência”, que desenvolvi a partir daí. Senso de urgência é o mais importante em termos profissionais: a pessoa se quer fazer uma coisa, tem que fazê-la rápido e bem.

 

Sentiu-se inseguro no embate com a cidade, antes de acompanhar esse senso de urgência?

Naturalmente, quando uma pessoa está num meio que não conhece, está um pouco inseguro. A segurança vai-se construindo à medida que vai ultrapassando os obstáculos e vai fazendo aquilo que é suposto fazer.

 

Nunca foi muito inseguro?

Eu era completamente inseguro, a questão é que consegui lidar com esse tema. Há inseguros para quem a insegurança funciona como...

 

Um travão?

Para mim, funciona como um pedal. Quase que busco situações em que esteja inseguro.

 

É verdade que precisa de ter uma boa dose de autoconfiança para se atirar ao desafio...

Não sei se é autoconfiança ou se é inconfiança. Se me diz que é por causa da autoconfiança... Preciso de estar permanentemente a defrontar “challenges”.


Precisa de estar a desafiar-se. A confirmar que é bom.

Gosto. Faz-me sentir vivo. Não sei se é para confirmar que sou bom. Não me acho especialmente bom.

 

Ah, não?

Sou claramente médio. Os meus padrões são exigentes e agora já não tenho tempo de ser aquilo que acho que deveria ter sido, se fosse bom.

 

Foi uma coisa difícil de aceitar? Que não seria extraordinário, que só seria médio?

Não. É o que é. Tenho bastantes “handicaps”.

 

Quais?

“Handicaps” de educação. Na minha família não se sabia o que era um banco. Tínhamos propriedades agrícolas. Estou em enorme desvantagem relativamente a pessoas que tenham tido a possibilidade, desde muito novas, de conviverem com uma cultura empresarial. No aspecto cultural, gostava de ser mais culto.

 

Ninguém à sua volta lia?

A minha mãe lia muito, a minha avó lia muito. Agora estou a pensar no Miguel Sousa Tavares, não sei porquê: é mais fácil para uma pessoa que nasce num meio culturalmente forte saber de literatura, de música. Apesar dos meus “handicaps” consegui resolver algumas questões, mas estou longe de ser aquilo que gostaria de ser.

 

Frequenta um hotel onde é possível encontrar pessoas da cultura e do espectáculo, também. Pelo jornal, soube que a Emma Thompson esteve cá a dançar ontem à noite. E o Mick Jagger também vem cá. Sobre que falaria com eles se coincidissem numa mesa?

Ah, não tenho qualquer problema em fazer conversa de chacha. Posso falar de arte, de arte contemporânea, de carros, de política internacional, de viagens. Dizer duas ou três baboseiras não quer dizer que a pessoa saiba de arte, de música, de literatura. Considero que sou mais culto do que a média e há certas coisas que sei. Leio livros de História ou trillers. Literatura, poesia ou filosofia não me interessam e, por isso, não sei.

 

Leu o Oscar Wilde?

Não.

 

Podia fazer parte de um dos romances do Oscar Wilde, alguns personagens têm o seu tipo, algo “dandy”. E criou uns aforismos inesquecíveis, como aquele que diz: “Podemos resistir a tudo, menos à tentação”. Esse vai-lhe bem.
Ok. Vou ler Oscar Wilde.

 

Façamos o mesmo na entrevista: sem conversa de chacha, concentremo-nos naquilo de que gosta.

De conversar ou de fazer? Divido estes temas em capítulos. Capítulo profissional, gosto de fazer, e faço, vida de negócios. Não gosto de falar de negócios, de falar das operações. Gosto dos meus “hobbies”, caça e carros, e gosto de falar sobre isso. Depois tenho áreas de interesse. Objectos de arte e peças de que gosto.

 

Que tipo de objectos? Valiosos?

Objectos bonitos.

 

Ainda não tinha usado essa palavra.

Valiosos, é-me indiferente. Objectos bonitos e bons. Estou a fazer uma colecção de serviços, de loiça, do século XVIII e Império, de proveniência real. Comprei quatro serviços fantásticos: um que era um presente do Luís XVI para a Rainha Carlota Joaquina, outro que foi presente do Luís XVIII ao Príncipe Di Parma, um que foi presente do rei Carlos X de França à Duquesa de Berry, que era nora dele, e um outro que foi um presente do Napoleão a um Marquês. São caros, mas é porque são muito bons, são do melhor que há.

 

Dão-lhe o propósito de procurar essas peças. E dão-lhe o prazer de ter aquilo que é raro e que nem todos podem ter.

Nunca me preocupei com os outros. Se são raros, por definição, os outros não têm. Gosto é de ser eu a poder ter uma coisa que é rara.

 

Com o que os outros pensam de si, preocupou-se?

Nada.

 

Nem quando era inseguro?

Quando era novo, obviamente. Faz parte de um jovem importar-se com o que pensam os outros. Mas a partir de determinada altura, estou-me nas tintas. Tenho as minhas exigências, os meus objectivos, é o que me interessa. Quando se vive no mundo dos negócios há um tema importante, que é a credibilidade. Não posso fazer coisas disparatadas que façam com que os outros achem que sou um palhaço; faz com que, depois, não tenha credibilidade para interpor uma operação a alguém. Nesse aspecto preocupo-me um pouco, o suficiente.


Quem são os outros que contam mesmo na sua vida?

Os outros que contam em que aspecto? Tenho a minha família, a minha mulher, os meus pais, as minhas filhas.

 

Isso pode não querer dizer nada.

Bom, mas é aquilo que se diz nestas alturas.

 

Eu queria a resposta verdadeira.

É essa.

 

Falou das suas filhas duas vezes. É para si importante a imagem que têm do pai?

Não penso muito nisso. Ou seja, se implica fazer um esforço para que elas pensem que sou assim e não assado, não faço qualquer esforço.

 

Estava a pensar em si enquanto menino e na percepção que teria dos seus pais, da casa, daquela realidade. E estava a fazer um exercício de extrapolação: o que é que elas pensarão dos pais, da casa, da realidade que já foi completamente construída por si?

Se eu estivesse no lugar delas, gostaria.

 

O que é que acha que elas valorizam? O ter dinheiro? O ter acesso? Um “status”?

Elas têm uma vida normal, um colégio normal. Aquilo que têm melhor do que o normal é poderem viajar um bocadinho mais, ir para hotéis um bocadinho melhores, ir a restaurantes um bocadinho melhores. Vivem numa casa mais bonita que a média. Não gostam desta minha mania de coleccionar coisas boas, porque acham que as coisas são velhas. Ainda não têm o gosto devidamente afinado.

 

Isso não lhes dá um propósito para a vida.

Não.

 

É importante para si que sejam pessoas interessantes, com uma identidade vincada, e não “as filhas do Miguel Pais do Amaral”?

Seria bom. Ia dizer uma coisa politicamente incorrecta...: não é habitual as mulheres serem assim. Era uma coisa de homens, há 20, 30 anos. Espero que sejam independentes e que se afirmem por si. Se fossem filhos, isso seria natural.


A pressão seria diferente?

Os homens, do ponto de vista profissional, têm que se afirmar por si mesmos. Há mulheres que se afirmam por si mesmas, são profissionais como você, e mulheres cuja vida é serem casadas com os homens. São, basicamente, as mulheres dos homens. Gostava que as minhas filhas tivessem mais. Como não tenho filhos, gostava que herdassem um pouco da minha ambição e da minha vontade de fazer coisas. Mas isso é com elas.

 

[intervalo de duas horas]

Estava a dizer-me que não tem medo de morrer?

Não, não tenho. Preocupa-me mais ter um problema físico, ficar sem pernas.


Pensa nisso quando se excede em velocidade?
Não. Se uma pessoa pensa que pode estar em perigo, vai mais lento. Tem que se abstrair dessa realidade, quando está a competir.

 

Em que é que se pensa, se se pensa?

Não se pensa em nada. Não é possível pensar em nada.

 

Nunca teve nenhum desastre?

Tive um ou dois em Velocidade, mas nada de grave. Faz parte. Hoje em dia os circuitos são muito seguros. Tive mais desastres em Todo o Terreno, aí é mais perigoso.

 

Qual é o grande desafio quando se guia? O domínio?

O desafio é fazer bem. O “challenge” é uma pessoa que gosta de carros dar o seu melhor e aproximar-se o mais possível dos profissionais – que é impossível. Mas com treino, persistência e tempo, a pessoa vai-se aproximando. Qual é a sua pergunta?

 

O “thrill”, se consegue explicar qual é o “thrill”.

O “thrill” tem a ver com o domínio em condições extremas, em velocidade extrema, em travagem extrema.

 

Para muita gente, o “hobby” é qualquer coisa onde existe uma dissolução absoluta de quem se é, e faz contraste com as suas vidas cá fora. No seu caso, é como se o “hobby” fosse mais um exercício de controlo sobre a máquina, ou seja, a sua vida.

Um, faço aquilo para me divertir. E dois, os “hobbies” têm também a função de, no tempo em que não estou a fazê-los, pensar que vou fazê-los. Preenche o tempo pensar que no próximo fim-de-semana tenho uma corrida, em Junho outra. O “hobby” tem esse duplo efeito: [serve] para me divertir e para me entreter.

 

Deve enfadar-se de morte com imensas coisas. Aquelas que tem que fazer para manter o estilo de vida que quis para si.

O que me maça muito é a rotina. Ligando isso à minha vida profissional, encerrei um capítulo da minha vida profissional quando vendi a minha posição na Media Capital. Sinto-me mais vocacionado para fazer coisas novas do que propriamente para gerir uma organização. Divirto-me mais a fazer o que estou a fazer agora, que é começar novos projectos.

 

Olha para si como um financeiro? É isso que é?

Olho para mim como um “financeer”. Os americanos usam o termo “financeer”: são as pessoas que investem em negócios com uma perspectiva financeira, que apostam em equipas de gestão, em sectores. No caso da Media Capital, fui também operador, geri, defini estratégias. Ser um financeiro é o perfil que gostaria de ter, mas até agora tenho sido mais do que isso.

 

A propósito da TVI, interveio ao nível dos conteúdos? Participou na escolha do Big Brother, (que acabou por ser uma pedra essencial no sucesso da estação)?

Na Media Capital, fui tudo menos um financeiro. Fui mais industrial do que muitos portugueses que são considerados industriais, ou mesmo estrangeiros, e que depois revelam menos iniciativa. Comportei-me como um estratega. A decisão do Big Brother: era um investimento muito grande, era importante a opinião de várias áreas. Uma são quatro componentes: programas, marketing, vendas e finanças.

 

Ter que meter a mão nas coisas de todos os dias, no que pode ser o “trash”, gosta de fazer?

Tive que o fazer e acho que o fiz menos mal. Os resultados foram muito bons. Mas prefiro não ter que o fazer.


Diz-se que tem uma grande capacidade para manter relações afáveis com pessoas de quem não gosta. É fácil porque os afectos ficam à porta? O que interessa é que a pessoa cumpra uma função?

Tenho dificuldade em não gostar de pessoas. Também tenho dificuldade em gostar. Há muito poucas pessoas de que não gosto. Para não gostar de alguém é preciso que esse alguém me tenha prejudicado ou feito alguma coisa contra mim. Não sei quem lhe disse isso, mas nunca trabalhei com ninguém de quem não gostasse.

 

A notícia que li era relativa ao José Eduardo Moniz. 

É uma pessoa com quem tenho a melhor relação, trabalhei com ele durante sete anos. Se não gostasse dele, não trabalharia com ele.

 

Ele é competente.

Há muita gente competente. Nunca considerei que havia pessoas insubstituíveis. E começava por aplicar esse princípio a mim.

 

Era difícil para si, no segundo período da sua vida, ser mandado? Haver outros que em última instância decidiam sobre a sua vida?

Nunca tive nenhum problema em lidar com a autoridade, em lidar com os meus chefes. Toda a minha vida foi, e vai continuar a ser, a tentar ser cada vez mais independente. Se agora consideraria ser número dois de uma organização? Realmente não me apetece muito. Sou aquilo a que os americanos chamam “entrepreneur”. Gosto de ser eu a definir a minha agenda e as minhas prioridades. Se é outra pessoa a fazê-lo, já não sou tão independente, não é?


Pode ser refém de quê? O que é que ameaça a sua liberdade, a sua vontade, a sua independência?

Não sei... Dê-me lá um exemplo, não estou a ver mesmo nada que ameace a minha liberdade.


Normalmente é qualquer coisa do domínio dos afectos.

Não tenho nada que ameace ou limite a minha liberdade. A liberdade de tomar as iniciativas que quero tomar. Na minha vida há um conjunto de questões que são limite e que têm a ver com a família.

 

Ainda não percebi que espaço é que ela ocupa. Sabe que parece muitíssimo solitário...

Esse é um tema de que não gostaria de falar. Tenho uma família normal, pais, mulher, filhas, que ocupam o seu lugar. Depois tenho os meus “hobbies” e a minha vida profissional. Tenho uma vida normal, como qualquer pessoa.

 

Posta nesses termos, não parece ter grande graça. Eu acho que inventa objectivos para que ela tenha graça.

Sim. Já falámos sobre isso.


Não acredito que saiba tão pouco das suas zonas sensíveis. Enfim, daquelas que são tremendamente humanas e que nos ocupam a todos.

Tento não pensar muito nessas coisas. São coisas um pouco estranhas para mim, essas que me pergunta.


Pode evitá-las, arranjar maneira de as contornar. Mas um homem tão estratégico tem que saber onde estão essas partes para as poder domar.

E então?

 

Diga-me quais são os seus medos? Por exemplo, tem medo de ficar sozinho? Tem medo de morrer sozinho?

É uma coisa em que não penso. Fui filho único, vivi muito tempo sozinho. Vivia muito tempo sozinho em Lisboa quando os meus pais iam para a quinta. Vivi sozinho quando vivi fora de Portugal. Estou habituado a estar sozinho.


Vamos pensar que se dá um cataclismo e que fica sem a maior parte dos brinquedos de que dispõe. Quais seriam os essenciais para sabermos quem é? O que é que tem mesmo valor e importância para si?

Uma coisa de que gosto muito é a minha quinta. Se acontecesse uma catástrofe, e ficasse sem nada, tenho a minha quinta. Seria capaz de estar lá, sem problemas. E para estar lá, não preciso de nada.

 

Precisaria outra vez de se entreter e de ganhar dinheiro?

Precisaria de me entreter. Comecei por viver na nossa quinta em Mangualde, vivi lá até aos oito anos. Dá-me segurança, a minha casa, a minha quinta. Mas não tem nada a ver com a vida que desenvolvi depois. Se me pergunta, das coisas que tenho agora, o que é que podia largar? Tudo.

 

Com essa facilidade? Depois de ter suado tanto para as ter?

Não é uma coisa que me faça confusão. Ter as coisas de que gosto, não o faço porque seja indispensável para ser feliz; faço-o porque me entretém.

 

É um desporto como outro, ganhar dinheiro?

Ganhar dinheiro é apenas um meio para ter o que quero. Enquanto tiver objectivos para atingir, vou vivendo. Desafios muito grandes ou mais pequenos, ou desafios diversos.

 

De Wall Street, tenho a imagem frenética dos filmes. A sua ambição, o gosto pelo desafio, foram fomentados em Wall Street?

O desafio foi algo que se desenvolveu em mim, não sei bem qual foi a origem. A ambição, sem dúvida que foi a exposição ao mundo do INSEAD e de Wall Street que fez com que se construísse de determinada forma. No fundo, esta trajectória também tem a ver com... Eu vivia com os meus avós e vivia num meio que era derrotado. Nós fazíamos parte de um grupo de “losers”. Incomodava-me o destino de fazer parte de uma comunidade de “losers”. A ambição que desenvolvi foi o desejo não querer fazer parte desse grupo de “losers”. Não queria sentir-me um “loser”. Bom, não eram propriamente “losers”, mas achavam-se “losers”, porque os pais já tinham sido “losers”, os avós tinham sido “losers”, estavam do lado dos “losers”.

 

Eles têm uma grande admiração por si? Esse lado da família, que ainda é vivo?

Alguns têm. Outros, menos.

 

Outros têm inveja?

Não me interessa. Em Portugal há aquele sentimento católico em que ser ambicioso, querer ser melhor do que os outros, ganhar dinheiro, etc., não é aquilo que deve ser.

 

A sua mãe tem orgulho em si?

É natural que tenha algum, mas está entre aqueles que acham que sou muito materialista e que ligo pouco à família, e que ligo pouco à religião, e àquilo a que devia ligar.

 

Pensei que fosse importante para si merecer a admiração dela.

Eu não vivo a minha vida para merecer a admiração de quem quer que seja. Também não da minha mãe.

 

Precisamos sempre de plateia. E há alguns que queremos sentados na primeira fila.

Não me preocupa a plateia.

 

Essa invulnerabilidade que ostenta... Lembra-se da última vez que chorou?

Isso são temas a que um inglês não responderia. Não me lembro, francamente.


Quando fez 50 anos, foi uma data pesada para si? Agora tem 51?

52. Não festejei. Não gostei de fazer 50 anos.

 

Tem medo de envelhecer?

Preocupa-me já não ter muito tempo para fazer algumas das coisas. O tempo é um inimigo terrível. Por exemplo, não tenho muitos mais anos para fazer o Le Mans. Três ou quatro, quatro ou cinco, dois ou três. Tenho 52 anos, já não tenho idade para começar a fazer coisas. É nessa perspectiva que isso me preocupa.

 

O envelhecimento físico incomoda-o? Não parece nada ter 52 anos. Não estou a ser galante, é verdade.

Obrigado. Só me preocupa na perspectiva de performance física. A questão da aparência não me preocupa especialmente.

 

Esse fato, foi encomendado num alfaiate em Londres ou em Lisboa?

Agora tenho um alfaiate em Milão, agora faço os meus fatos em Milão. Mas isso não se deve dizer em entrevista.

 

Porquê?

Porque é um pouco cagão dizer essas coisas.

 

É engraçado que diga “cagão” referindo-se a si mesmo.

É o que se diz, não é? Eu não sou, e não gosto que se seja, por isso é um pouco ridículo dizer [que se faz os fatos em Milão].

 

Para terminar: há várias fotografias de pessoas ilustres que frequentam este hotel. Quem é que lhe interessava conhecer?
As fotografias que vi eram da Rainha [de Inglaterra], do Churchill, da Jackie Kennedy. Nenhum desses me interessava conhecer. Churchill não foi mau Primeiro-Ministro, mas não tinha grande interesse em conhecê-lo. Tinha interesse em conhecer a Mrs. Thatcher, um interesse relativo. Conhecer Einstein interessava-me mais. Ou Picasso. Gostava de conhecer Fangio! Políticos, reis, não são especialmente interessantes, não acrescentam muito. Às vezes fazem bem aquilo que é suposto fazerem.


Quem foram as pessoas que marcaram a sua vida? Com quem aprendeu, que admirou.

Na primeira fase, até aos meus 15 anos, foram os meus pais. Quando deixaram de ser os pais, deixou de haver alguém importante, do ponto de vista da referência.

 

Isso é incrível. Não houve um professor, um chefe...

Não. Para lhe dizer a verdade, não.

 

 

Publicado originalmente no Jornal de Negócios em 2007

 

 

 

Em destaque

Entradas recentes