Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

João César Monteiro

22.11.17
João César Monteiro é o maior cineasta português da sua geração. Nasceu na Figueira da Foz há cinquenta e oito anos, o que não conta muito para o caso. Tem um filho rapaz com treze anos. Criou alguns  dos mais belos filmes do nosso cinema e neles apresentou-nos o (...)

Leonor Baldaque

29.09.17
Leonor Baldaque nasceu em 1977. O seu romance de estreia, Vita (La Vie Légère), vai ser lançado em França no dia 19 de Janeiro pela Gallimard. Foi escrito em francês. É neta de Agustina Bessa-Luís, sim. E actriz de Manoel de Oliveira (sobretudo). Aprendeu com Emily (...)

Nicolau Breyner

14.03.16
Nicolau Breyner, quase 70 anos. Há 50 anos que o palco é uma espécie de casa. Um espectáculo no auditório do Casino de Lisboa, de 20 a 25 de Abril, põe-no a olhar para si próprio. Em casa, a propósito do espectáculo, falou-se de porque é que foi bilingue em (...)

Beatriz Batarda e Margarida Cardoso

07.03.16
O filme chama-se Yvone Kane, mas fala-se menos da heroína marxista que mobilizou a esperança, do mistério em torno do seu desaparecimento, do que de uma mãe e uma filha, Sara e Rita. É no corpo de Rita que Beatriz Batarda regressa a África, dirigida por Margarida (...)

Marco Martins

01.12.15
Quando Marco Martins chega à mesa do café, traz consigo um livro de autobiografias. Autobiografias de artistas plásticos. Parecia evidente que começaríamos pela sua biografia, contada na primeira pessoa. Os factos são muito simples de enumerar: nasceu em Lisboa em 72, (...)

Dona Bia

26.11.15
Beatriz da Conceição, 74 anos, nem amaciados nem derrubados pela vida. A definição é dela, e nesta frase parece estar tudo. O que é que a vida lhe fez. Não lhe retirou uma aspereza e verdade, não a domou, como acontece frequentemente, mesmo a forças (...)

Margarida Cardoso

12.10.15
Margarida Cardoso é cineasta. “Yvone Kane”, que ficciona a figura de uma guerrilheira moçambicana no pós-independência, é o seu último filme. Tinha 12 anos em 74.   “Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos (...)