Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Millôr Fernandes

16.07.18
Tudo se passou em três semanas de Agosto. Primeira dificuldade: encontrar o número certo para falar com Millôr Fernandes. Passo seguinte: deixar recados no gravador ao longo de dez dias. Diários. Sem resposta. O gravador atendia assim: “Fale ou fax”. Num tom de (...)

A casa de Frida e Diego

15.07.18
Viva Frida!, viva a pintora mexicana, que viveu um período de efervescência cultural e política. Viva Diego, o muralista famoso, o amante que lhe provocava o tumulto e a devolvia inteira (para usar palavras de Frida). Viveram numa famosa casa azul, em Coyoacán. Uma casa (...)

Manuel João Vieira

09.07.18
Isto não é uma entrevista a Manuel João Vieira, isto é uma entrevista aos heterónimos de Manuel João Vieira. O músico, o candidato presidencial, o artista plástico. Uma destas tardes, apareceram todos lá por casa (do Manuel João, em Campo de Ourique). Ele é muitos. N (...)

Macau

09.07.18
Como é que se diz O Sole Mio em mandarim (ou cantonês)? O gondoleiro veste calças pretas, camisa riscada, chapéu de palha e fita vermelha. Maneja o remo com destreza, desliza na água azul-piscina. Os passeantes abraçam-se como amantes de Veneza, sorriem, tiram (...)

Officina di Santa Maria Novella

05.07.18
Há quem diga que a Officina Profumo-Farmaceutica di Santa Maria Novella é a loja mais bonita do mundo. Fica numa rua discreta de Florença, a dois passos da igreja e do convento fundado por monges dominicanos no século XIII. Vende pomadas, bálsamos, sabonetes, perfumes, (...)

As Casas de Pablo Neruda

04.07.18
Quando se fala das casas de Pablo Neruda, fala-se de Isla Negra, La Chascona, da casa de Valparaíso. São casas-barco de onde se vê o mar, porto seguro do poeta chileno. Parecem-se umas às outras e não se parecem às outras casas. Em todas há objectos recolhidos entre (...)

Pompeia

02.07.18
Visitar Pompeia é remontar ao ano 79 d.C., ver um lugar soterrado pela cinza do Vesúvio. Goethe visitou-a no século XVIII e ficou com a impressão de ser um “infeliz lugar”, sujeito durante séculos ao esquecimento e, uma vez descoberta, ao saque. O que podemos ver (...)