Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

André e. Teodósio

04.07.19
André e. Teodósio tem 37 anos e todos os sonhos do mundo. Um mundo onde cabe tudo. O Vendaval de Tony de Matos, o Tratactus de Wittgenstein, o teatro que não quer parecer teatro e que quer ser vida do Teatro Praga. O seu mundo é, sobretudo, um mundo que esteve sempre (...)

Moreno Veloso

02.07.19
Moreno Veloso nasceu na Bahia em 1972. Tem, evidentemente, um jeito baiano de ser. É um físico atómico que sabe sambar, que samba maravilhosamente. É tentador pensar que a Física era um modo de escapar da sombra “maçante” (como repete) de ser o filho de Caetano (...)

Paulo Branco (s/ Manoel de Oliveira)

24.06.19
O princípio do mundo de Manoel de Oliveira e Paulo Branco aconteceu em 1981, com Francisca. Um mundo que se fez entre a genialidade de Manoel e a loucura de Paulo. Cresceram desmesuradamente, os dois. Discutiram como só se pode discutir em família. Reconciliaram-se (...)

Agustina Bessa-Luís (em Serralves)

16.06.19
De como descobriu o cinema de Murnau aos seis anos. De como a fé é a mais profunda jazida da inocência. O medo como o grande mistério. O medo como caminho para o poder. O sono da inocência e a sede do vampiro.O Balzac que deve ser ensinado nas escolas. A solidão. Ser (...)

Mónica Baldaque (s/ Agustina)

03.06.19
“Esta é a minha história que a memória abreviou...”, escreve Agustina Bessa-Luís na sua autobiografia. Uma história em que são protagonistas um pai jogador que vivia entre a presa e o predador, uma mãe que repetia provérbios, uma figura inverosímil de quem (...)

Agustina Bessa-Luís (2006)

03.06.19
«Doidos e amantes», o mais recente romance de Agustina Bessa Luís, foi escrito para ser apresentado semanalmente, sob a forma de folhetim. Conta a história de Maria Adelaide, a filha do fundador do Diário de Notícias, que rompe com o quadro conjugal e foge com o (...)

Paulo Pacheco (s/ Luiz Pacheco)

29.05.19
A entrevista ao filho do Luiz Pacheco é sobre o Luiz Pacheco. Estão à espera da grande figuraça, das pachecadas? Há disso. Há o tipo que deixa anotado numa tradução de Voltaire “sandes de merda”. Há o tipo que vai visitar os futuros sogros e foge com a irmã da (...)