Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Catarina Furtado e Helena Furtado

10.05.22
A primeira coisa que surpreende é a Catarina Furtado ser sempre a Catarina Furtado. Com a mãe, numa tarde de sol, a recordar o tempo em que foi filha, mantém a fisionomia, a cadência do discurso, o riso que conhecemos da televisão. A gestualidade também é a mesma. A (...)

Júlio Pomar e Mário Soares

02.05.22
Como é que é quando dois velhos amigos se encontram? “Velhos?!”, graceja Júlio Pomar. Como é que é quando dois homens que se conhecem há coisa de 70 anos se reencontram? Fizeram-se amigos numa altura em que respirar e reagir eram quase sinónimos. Foram opositores (...)

Jorge Sampaio

23.03.22
Jorge Sampaio tem como divisa familiar um por todos, todos por um. Uma divisa de que não gosta, mas que pratica. Teve um pai que era um homem carismático, um médico, um politizador. Uma mãe que era um rochedo, que recebeu uma educação inglesa, que o ensinou a ser to (...)

Mª Emília e Nuno Brederode Santos

23.03.22
Quem é que os fez empenhados politicamente? O pai, o país, um tempo? Maria Emília e Nuno Brederode Santos são irmãos. Viveram intensamente alguns dos momentos mais marcantes da história recente. As crises académicas dos anos 60, o 25 de Abril, e antes disso, no caso (...)

Ana Vicente e Filipa Lowndes Vicente

07.03.22
O feminismo é a conversa chata das mulheres? Ana Vicente, nascida em 1943, diz que chata é a situação. A situação de discriminação. E não, não é verdade que o feminismo seja o oposto de machismo ou que as discussões de género não façam sentido em 2013. A sua (...)

Miguel Esteves Cardoso e Maria João Pinheiro

12.02.22
O MEC já escreveu que O amor é fodido. Vivia em Lisboa, em sofrimento, à beira de uma síncope. Tinha graça, juventude, hordas de seguidores. Agora está na fase de achar Como é linda a puta da vida (novo livro que colige crónicas dos últimos anos). Este é o tempo (...)

Maria José Morgado e Saldanha Sanches

12.02.22
No tempo em que os animais falavam, ela era a “renegada Morgado”, e ele tinha o nome escrito nos muros de Lisboa: “O povo libertará Saldanha Sanches”. Depois desistiram da revolução, tiveram uma filha, descobriram com ela um mundo onde se almoça e se janta em (...)