Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

A casa de Freud

23.03.20
Freud escreveu numa carta datada de Agosto de 1938: “20 Maresfield Gardens será a nossa última morada neste planeta, mas não poderá ser ocupada antes do fim de Setembro. A nossa casa!... E demasiado bonita para nós…”. A nota continha lapsos e emendas – um (...)

Em Budapeste, c/ Chico Buarque

01.12.19
Vanda perguntara-lhe dias antes: «Budapeste?, e o que tem para fazer em Budapeste? Era difícil responder. Olhar o Danúbio?, tomar licores?, ouvir poetas?». Vanda preferiu Londres, e José Costa, que na minha imaginação tem os olhos aquosos de Chico Buarque, meteu-se (...)

Nápoles

05.02.19
É fácil não gostar de Nápoles. Mas depois há Caravaggio. Mas depois há aquela jovem mulher que dá o peito a um velho homem. Cena perturbantíssima. Alimenta-o, misericordiosa. Um homem que podia ser o seu pai. Dizem os estudiosos de Caravaggio que é o pai. Como (...)

Viena

27.12.17
Klimt é um dos pintores mais amados de sempre. Quadros como O Beijo ou a comovedora imagem de uma mãe e do seu filho são ícones reconhecíveis no mundo inteiro. É dele também o Retrato de Adele Bloch-Bauer, vendido em 2006 por 135 milhões de dólares – uma das (...)

NY para principiantes

04.08.17
Nova Iorque é provavelmente a cidade mais filmada do mundo. Mitificada colectivamente, sonhada a partir dos personagens, dos enredos, põe-nos no coração da(s) história(s) num ápice. Dá-nos a sensação de estar dentro de um filme ou de já ter visto num filme o que (...)

Rio de Janeiro

09.07.17
MAC É um museu que parece uma flor. É uma obra-prima da arquitectura projectada por Oscar Niemeyer. Fica em Niterói, sobre a Baía da Guanabara. Niterói é uma cidade dormitório, ligado ao Rio por uma ponte gigante. Ninguém, senão os habitantes, percorreria os (...)

Havana

20.07.15
Pôr do sol no Hotel Sevilla “Vou deixar a chave do meu quarto no lavatório. Quinto andar no Seville-Biltmore. Vá lá directamente às dez da noite. Assuntos a discutir: dinheiro, etc. Que mau cheiro! Não pergunte por mim na portaria”. Em “O Nosso Agente em (...)