Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Desigualdade de género

01.06.22
1. Ana Luísa Amaral publicou o primeiro livro aos 33 anos. Título: Minha Senhora de Quê. Nasceu em 1956. Lembra-se bem do tempo em que as senhoras frequentavam confeitarias e os homens iam ao café (que não era frequentado por senhoras, que estavam confinadas à (...)

Yvette Kapferer

09.05.22
Yvette Kapferer viveu uma vida aventurosa de que se lembra bem. Nasceu numa família judia, abastada, em Paris. Foi campeã de golfe francesa. Entre 1940 e 1945 trabalhou na Escócia, numa base militar. Servia sanduíches, limpava o chão, sentia-se útil. Permitiu-se (...)

Mª Emília e Nuno Brederode Santos

23.03.22
Quem é que os fez empenhados politicamente? O pai, o país, um tempo? Maria Emília e Nuno Brederode Santos são irmãos. Viveram intensamente alguns dos momentos mais marcantes da história recente. As crises académicas dos anos 60, o 25 de Abril, e antes disso, no caso (...)

Ana Maria e Miguel Caetano (s/ Marcello Caetano)

21.03.22
Uma palavra para o vosso pai? Um lutador, um doutrinador, respondem Ana Maria Caetano e Miguel Caetano. Dois dos quatro filhos de Marcello Caetano (os que sobrevivem), têm leituras diferentes do pai e da história recente. A experiência de filha de Ana Maria não coincide (...)

Coimbra de Matos (s/ Portugal)

20.03.22
Somos inseguros, imaturos, praticantes da transgressão na sombra, além de desorganizados, individualistas, garbosos, disponíveis. Nós, os portugueses, o que esperamos do chefe, do pai, do protector, é que decida por nós, que assuma a responsabilidade por nós, que (...)

Ana Vicente e Filipa Lowndes Vicente

07.03.22
O feminismo é a conversa chata das mulheres? Ana Vicente, nascida em 1943, diz que chata é a situação. A situação de discriminação. E não, não é verdade que o feminismo seja o oposto de machismo ou que as discussões de género não façam sentido em 2013. A sua (...)

Violência Doméstica: o caso de Rosa

02.03.22
“A nossa relação caminhava para lado nenhum. Pior: caminhava para a minha destruição. Tínhamos uma dinâmica negativa, pesada, sofrida, louca. Era também assim que me sentia. Eu não era mulher para ele: não era obediente, nem carente, nem frustrada. Não me (...)