Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Tom Jobim

10.12.18
A conversa sobre a morte não era recorrente. Tom Jobim falava de bichos, música, chopp, papo furado. Falava sobre árvores, que um dia apresentou ao filho como se apresentam pessoas. Sobre o mundo, o Brasil, o Rio, (cidade linda e dissipante, como um dia a descreveu). Mas (...)

Cesária Évora

06.12.18
Cesária Évora canta desde que se lembra de si, e é também desde que se lembra de si que canta descalça. Já era mulher madura quando o acaso a trouxe a Lisboa e lhe marcou encontro com José da Silva. Ou Djô Silva, se preferirem, produtor e empresário. Foi também (...)

Aldina Duarte

02.11.18
Aldina Duarte diz, como quem diz que está sol: “Estragamo-nos num instante sem nos darmos conta”. Também diz que mesmo que não se cante a si, canta com o que é. E nesse caso, para falar do disco novo, Contos de Fados, é preciso falar de como se fez a cantar assim. (...)

Vinicius de Moraes

19.10.18
Vinicius foi o mais viniciano dos homens. Tinha dito sobre Oxford: “Toda uma religião, mas nada de vivo: de lawrenciano, de rimbaudiano, de dostoievskiano, de shakespeariano ou quem você queira de fundamentalmente humano em si”. Vinicius imprimiu um adjectivo. O que (...)

Beatriz da Conceição

12.09.18
Quem é Beatriz da Conceição? Perguntem a Ana Moura e a Carminho. Perguntem a Camané. Perguntem a quem não gosta dela. Uma referência. Fadista de palavras que cortam como facas. A tia Bia tem 73 anos, nem amaciados nem derrubados pela vida. A Dona Bia exige ser tratada (...)

Placido Domingo

02.09.18
“Sou um apaixonado por Portugal. Há uma classe, uma elegância no português... E na cidade, Lisboa antiga, senhorial. Sente-se. Como terá lido noutras entrevistas, sou um apaixonado do fado. Tenho tanto respeito pelo fado que nunca gravei nenhum. Mas num concerto cantei o

50 anos de Bossa Nova

29.07.18
Dezembro de 1966. Chamam ao telefone o senhor Jobim. Não foi bem assim. No Veloso ele era “Seu Tom” e não se apregoavam frases de cafés lisboetas. O negócio era outro. E Arménio, o dono do boteco de esquina, conhecia-o de outros carnavais, de muitas rodas de chope. (...)