Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Ler e escrever (Plano Nacional de Leitura)

08.01.24
Aprendi a ler com cinco anos, numa escola pública. Até há pouco tempo, não prestei especial atenção ao facto de ter aprendido cedo e ter aprendido bem. Fiz o primeiro ano, que então se chamava primeira classe, duas vezes: a primeira com cinco anos, quando frequentei (...)

Porque sou feminista

10.12.23
O meu nome é Anabela Mota Ribeiro, nasci em Trás os Montes em 1971. Esta frase, tão simples, contém apenas alguns elementos de identificação. É o núcleo a partir do qual vou falar convosco sobre pequenos e grandes delírios domésticos. Por doméstico vamos (...)

Sobre Mim

14.05.23
Anabela Mota Ribeiro nasceu em 1971 em Trás-os-Montes, vive e trabalha em Lisboa. É licenciada e mestre em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa. Na dissertação de mestrado trabalhou "A Flor da Melancolia e o Ímpeto Cesariano (ou a Negação e a Afirmação da (...)

P/ Mª Filomena Molder, 36 anos da FCSH

01.05.23
1. Não queria ser pomposa ou resvalar para uma erudição, que não tenho como devia, nesta apresentação que vou fazer. Mas trago Dante e a Divina Comédiapara começar a falar convosco, esta tarde. Começa assim o longo poema, de 14 mil versos, que o poeta italiano (...)

O dia em que conheci Chico Buarque

26.04.23
No dia em que conheci o Chico Buarque, ele vestia uma camisola azul. Pormenor insignificante, azul inesquecível. Recomeço: no dia em que conheci o Chico Buarque, ele tinha acabado de ler um artigo que eu tinha escrito sobre Budapeste. Foi pouco depois dos meus anos, em (...)

Os Filhos da Madrugada

14.05.21
No dia 25 de Abril, passam 47 anos desde a revolução dos cravos. Quase tantos de democracia quantos os de ditadura. O país mudou, o mundo mudou. Como auscultar esta mudança? Através de uma maratona de entrevistas àqueles que nasceram e foram criados em tempos de (...)

Ao Brás Cubas (que nasceu no mesmo dia que eu)

02.10.20
Nasci no mesmo dia de Brás Cubas, o personagem criado por Machado de Assis no final do século XIX. No Rio de Janeiro é sempre calor quando Outubro vai alto, as magnólias floriram e os grilos zumbem às três da tarde. Mas quando penso em Brás Cubas não consigo pensar (...)