Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Ao Brás Cubas (que nasceu no mesmo dia que eu)

17.10.19
Nasci no mesmo dia de Brás Cubas, o personagem criado por Machado de Assis no final do século XIX. No Rio de Janeiro é sempre calor quando Outubro vai alto, as magnólias floriram e os grilos zumbem às três da tarde. Mas quando penso em Brás Cubas não consigo pensar (...)

Porque sou feminista

06.10.19
O meu nome é Anabela Mota Ribeiro, nasci em Trás os Montes em 1971. Esta frase, tão simples, contém apenas alguns elementos de identificação. É o núcleo a partir do qual vou falar convosco sobre pequenos e grandes delírios domésticos. Por doméstico vamos (...)

Ler e escrever (Plano Nacional de Leitura)

01.09.19
Aprendi a ler com cinco anos, numa escola pública. Até há pouco tempo, não prestei especial atenção ao facto de ter aprendido cedo e ter aprendido bem. Fiz o primeiro ano, que então se chamava primeira classe, duas vezes: a primeira com cinco anos, quando frequentei (...)

Sobre Mim

01.09.19
Anabela Mota Ribeiro nasceu em 1971 em Trás-os-Montes, vive e trabalha em Lisboa.   É licenciada em Filosofia pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Filosofia (variante Estética) com uma tese sobre "A Flor da Melancolia e (...)

Somos Douro: o meu diário

16.08.19
Dia 1 Com Tatiana Salem Levy a espreitar, Rita Ferro Rodrigues e euzinha orgulhosas da nossa Priscilla, rainha do Douro. A sair. Que emoção! Camané na abertura do Somos Douro, em Lamego (teatro lindo), com a participação de alunos do Conservatório de Música de Vila (...)

Curso de Cultura Geral - a minha lista

02.11.18
1- Aprender a ler e a escrever com cinco anos, numa boa escola pública. Requisitar livros da Biblioteca Itinerante da Gulbenkian que parava em Vila Real. Ter gosto em aprender. Adquirir as ferramentas fundamentais.   2- Ler o "Diário de Anne Frank" com 12 anos. Lê-lo (...)

Ao Brás Cubas (que nasceu no mesmo dia que eu)

17.10.18
Nasci no mesmo dia de Brás Cubas, o personagem criado por Machado de Assis no final do século XIX. No Rio de Janeiro é sempre calor quando Outubro vai alto, as magnólias floriram e os grilos zumbem às três da tarde. Mas quando penso em Brás Cubas não consigo pensar (...)