Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Anabela Mota Ribeiro

Ana Maria e Miguel Caetano (s/ Marcello Caetano)

02.03.21
Uma palavra para o vosso pai? Um lutador, um doutrinador, respondem Ana Maria Caetano e Miguel Caetano. Dois dos quatro filhos de Marcello Caetano (os que sobrevivem), têm leituras diferentes do pai e da história recente. A experiência de filha de Ana Maria não coincide (...)

Daniel Sampaio

27.02.21
Do irmão diz: “De forma semelhante ao meu pai, o meu irmão é uma pessoa antes do tempo.” O pai era um homem objectivamente bonito, que encantava pela maneira como estava. Infatigável, com um fio depressivo. Nunca se doutorou. A mãe encharcou dois lenços na (...)

José e Ricardo Sá Fernandes

27.02.21
Há quem os deteste e pergunte: “Quem é que estes tipos pensam que são?”. Há quem os estime e aplauda a coragem de dois cidadãos sem medo. (Por acaso, num escritório que foi de Ricardo e depois de José havia uma procuração assinada por Humberto Delgado, o (...)

Maria Filomena Mónica e Isabel Pinto Coelho

27.02.21
A família da Mena não é a família da Isabel, nem a família da Isabel é a família da Mena. E contudo, é a mesma família… Houve um tempo em que Maria Filomena Mónica e Isabel Pinto Coelho eram As Mónicas. Como é que de uma família podem nascer duas irmãs tão (...)

Mª Emília e Nuno Brederode Santos

27.02.21
Quem é que os fez empenhados politicamente? O pai, o país, um tempo? Maria Emília e Nuno Brederode Santos são irmãos. Viveram intensamente alguns dos momentos mais marcantes da história recente. As crises académicas dos anos 60, o 25 de Abril, e antes disso, no caso (...)

Miguel Esteves Cardoso e Maria João Pinheiro

13.02.21
O MEC já escreveu que O amor é fodido. Vivia em Lisboa, em sofrimento, à beira de uma síncope. Tinha graça, juventude, hordas de seguidores. Agora está na fase de achar Como é linda a puta da vida (novo livro que colige crónicas dos últimos anos). Este é o tempo (...)

José Gameiro

13.02.21
“Que não seja imortal, posto que é chama. Mas que seja infinito enquanto dure”, escreveu Vinicius de Moraes. O gostar, esse grande mistério, que cremos infinito quando somos incendiados, é, como todos sabem, de experiência própria, uma coisa de todos os dias, (...)